Um Caso Meio Incomum / Slaves of New York


Nota: ½☆☆☆

Anotação em 1997:É absolutamente impressionante que James Ivory, sempre chamado de o mais inglês dos diretores americanos, autor de belíssimas reconstituições de época, rígido defensor (embora em estilo suave) dos pequenos avanços dos costumes, rígido crítico (embora em estilo suave) das hipocrisias todas da sociedade dos ricos Wasp, autor de bons ou ótimos filmes – Uma Janela Para o Amor, The Bostonians, Maurice, Mr. & Mrs. Bridge, Retorno a Howards End e o excepcional Vestígios do Dia – tenha sido capaz de fazer tamanha merda. Continue lendo “Um Caso Meio Incomum / Slaves of New York”

Todos Dizem Eu Te Amo / Everybody Says I Love You


Nota: ★★★★

Anotação em 1997: Primeira observação: é um filme, como tantos de Woody Allen, que a gente não quer que termine. É beleza pura, gozo puro; o espectador fica triste ao perceber que está se caminhando para o fim. Eu queria mais, eu queria três vezes mais. Continue lendo “Todos Dizem Eu Te Amo / Everybody Says I Love You”

American Buffalo


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 1997: Um filme que me pareceu absolutamente incompreensível. O pobre do espectador não fica sabendo a que ele veio, por que se gastou dinheiro pra fazê-lo, por que Dustin Hoffman resolveu interpretá-lo – neste último quesito, minha única hipótese é que o egão do ator tenha querido concorrer a um improbabilíssimo Oscar por ele estar voltando a fazer um papel semelhante ao que fez em Midnight Cowboy, de 1969. Continue lendo “American Buffalo”

Amateur


Nota: ½☆☆☆

Anotação em 1997: Um horror. Este filme é uma coisa extremamente especial. Ele foi elogiadíssimo pela crítica; ainda hoje, leio na Vejinha da semana, que noticia o lançamento em vídeo de Flerte, o filme seguinte desse Hal Hartley: “O diretor Hal Hartley é um nome badalado pela crítica e sempre comparado a Jean-Luc Godard e Michelangelo Antonioni”. E a questão é que o filme é ruim demais; é infinitamente ruim; é seriíssimo candidato a pior filme do mundo; é mais ridículo do que qualquer produção classe Z. Continue lendo “Amateur”

A Última Prostituta / The Last Prostitute


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 1997: Leonard Maltin classifica o filme, feito para a TV (embora nos letreiros esteja escrito screenplay, e não teleplay) como acima da média. E diz que é uma história agradável: “Agradável história do rito de passagem de dois adolescentes dos anos 60 que procuram uma lendária prostituta mas descobrem que ela não está mais no ‘negócio’ e agora dirige uma fazenda de cavalos. Carmen Culver faz um belo trabalho ao adaptar a peça pouca vista de William Borden.” Continue lendo “A Última Prostituta / The Last Prostitute”

The Wonders – O Sonho Não Acabou / That Thing You Do


Nota: ★★★☆

Anotação em 1997, com complemento em 2008: Uma total delícia. Alegre, divertido, bem humorado. Tem o frescor inocente da primeira metade dos anos 60, do rock’n’roll de Buddy Holly, das primeiras letras dos Beatles. É impressionante, na verdade, como Tom Hanks, que é novo, de 1956, conseguiu captar tão perfeitamente o espírito daquelas letras e daquelas canções juvenis. Continue lendo “The Wonders – O Sonho Não Acabou / That Thing You Do”

Tempo de Matar / A Time to Kill


Nota: ★★★☆

Anotação em 1997: Embora partindo de uma premissa absolutamente errada, em termos éticos – em determinadas circunstâncias, quando a Justiça falha, é admissível fazer justiça com as próprias mãos -, o filme é muito, muito bom, assim como deve seguramente ser bom o livro de Grisham que o originou (o escritor, aliás, é um dos três produtores executivos). Continue lendo “Tempo de Matar / A Time to Kill”

Striptease


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 1997: Comedinha que deve ter custado caro, típico produto de Hollywood nos anos 90, rasinha que nem um pires, que resulta em algumas risadas (há piadas boas, de texto); mistura drama familiar, um toque de trama de thriller (o cinemão padrão de Hollywood atual parece não conseguir fazer nada sem um toque de trama de thriller), imensas pitadas do exagero mais over e do over mais exagerado, e uma indisfarsável tendência para pornô leve mas safadinho. Continue lendo “Striptease”

Spitfire Grill – O Recomeço / The Spitfire Grill


Nota: ★★★☆

Anotação em 1997: Um belo filme, extremamente sensível e extremamente bem feito, apesar do custo baixo (U$$ 6 milhões) e de ser, parece, o primeiro do diretor. O cara esbanja talento. Os atores todos são muitíssimo bem dirigidos. De Ellen Burstyn, que faz Hanna, a dona da lanchonete do título, se podia mesmo, é claro, esperar uma grande interpretação. Mas a moça Alison Elliot, que faz o personagem central, Percy, é uma novata, vem de carreira como modelo, e está muito, muito bem, numa rica mistura de um pouco de cinismo (adquirido na dureza da prisão), muita pureza e muita coragem. Continue lendo “Spitfire Grill – O Recomeço / The Spitfire Grill”

Um Sonho de Liberdade / The Shawshank Redemption


Nota: ★★★★

Anotação em 1997: Extraordinário, magnífico, soberbo, fascinante desde a primeira tomada – um jovem banqueiro da Nova Inglaterra, Andy Dusfrene (Tim Robbins), sendo interrogado no júri, acusado de ter assassinado a mulher e o amante dela, intercalando com cenas dele em um carro se embebedando com um revólver na mão. Continue lendo “Um Sonho de Liberdade / The Shawshank Redemption”