Passos na Noite / Where the Sidewalk Ends

zzside1

Nota: ★★★☆

Em 1950, seis anos de Laura, aquela absoluta maravilha, o produtor e diretor Otto Preminger reuniu novamente os dois atores do filme que todo mundo aprendeu a cultuar, Dana Andrews e Gene Tierney. A bela e a fera, de novo sob a batuta do austríaco que, parece, dirigia filmes com a dureza de um general prussiano. Continue lendo “Passos na Noite / Where the Sidewalk Ends”

Intrigas de Estado / State of Play


Nota: ★★★½

Anotação em 2009: Tem muito talento esse Kevin Macdonald, jovem diretor escocês nascido em Glasgow em 1967. Comprova isso mais uma vez com este filme de 2009, um belo thriller passado na capital do Império, que mistura política, jornalismo, crimes, corrupção e crítica ao poder gigantesco das grandes corporações.  Continue lendo “Intrigas de Estado / State of Play”

O que seria do cinema se fosse proibido fumar?

O texto abaixo foi escrito para o portal estadao.com.br, em junho de 2000. Boto aqui no meu site neste momento, agosto de 2009, em que uma lei fascista, totalitária, do governador José Serra proíbe o fumo em praticamente todos os lugares do Estado de São Paulo. E convido os eventuais leitores a apreciar o excelente artigo do sociólogo Demétrio Magnoli, publicado no Estadão e no Globo, demonstrando por A mais B como e por que a lei é fascista. Continue lendo “O que seria do cinema se fosse proibido fumar?”

Rede de Mentiras / Body of Lies


Nota: ★★½☆

Anotação em 2009: O filme de 2008 de Ridley Scott é, como tudo que ele faz, extremamente competente. É um show de virtuosismo, de absoluto domínio da técnica, um filme de ação para nenhum fã de filmes de ação botar defeito. Como é um Ridley Scott, é denso, complexo, pesado. O tema, atualíssimo, é o terrorismo árabe, e o american way de combatê-lo. Continue lendo “Rede de Mentiras / Body of Lies”

EUA-Europa, uma relação de amor e ódio

Pardon my French. Quantas vezes a gente já ouviu essa frase nos filmes americanos? John Wayne, por exemplo, gostava de falar isso. Para quem não sabe, a expressão vem sempre depois um termo um tanto chulo, e significa mais ou menos “desculpe o palavrão”, “desculpe a falta de educação”, “desculpe a grosseria”. Em inglês, e especialmente para os americanos, francês é sinônimo de palavrão. Continue lendo “EUA-Europa, uma relação de amor e ódio”

Elizabeth – A Era de Ouro / Elizabeth: The Golden Age


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 2008: Uma imensa, tremenda idiotice. Com uns 20 minutos de filme eu me sentia profundamente incomodado – embora me faltassem palavras exatas para expressar exatamente o que me incomodava. A sensação continuou até o fim do filme, que, como todo filme ruim, demora pra terminar. Continue lendo “Elizabeth – A Era de Ouro / Elizabeth: The Golden Age”

Priscilla, a Rainha do Deserto / The Adventures of Priscilla, Queen of the Desert


Nota: ★★★☆

Anotação em 1995, com complemento em 2008: Uma delícia de comédia-musical-road movie. O filme é um panfleto – alegre, debochado, descarado, prazeroso – contra todos os preconceitos e os reacionarismos comportamentais. Continue lendo “Priscilla, a Rainha do Deserto / The Adventures of Priscilla, Queen of the Desert”