O Palácio de Joe / Joe’s Palace

zzjoe1

Nota: ★★½☆

Um rapaz pobre, de origem bem humilde, com cara de sonso, mas na verdade bastante esperto, safo – e de uma honestidade, uma integridade a toda prova. Um bilionário excêntrico, solitário, herdeiro de uma fabulosa fortuna, uma das maiores da Inglaterra, amealhada pelo pai. O Palácio de Joe conta a história do encontro dessas duas pessoas tão absolutamente díspares.

É uma co-produção da britânica BBC e da americana HBO, duas redes que só fazem biscoitos finos. Como seria de se esperar, O Palácio de Joe, lançado em 2007, é um filme extremamente bem realizado, em todos os quesitos.

Mas é sobretudo um filme estranho. Foi o adjetivo que ficou passeando na minha cabeça quando a narrativa se aproximava do fim, e foi como o defini assim que terminou. Ao que Mary respondeu: sim, é um filme estranho.

Joe é inglês filho de imigrantes; é muito jovem, mas educado, nada aborrescente

Quando a ação começa, Joe (Danny Lee Wynter, na foto abaixo) está caminhando pelas ruas de Londres. É um adolescente aí de uns 17, 18 anos, bem moreno, talvez descendente de paquistaneses ou indianos. Não se falará em momento algum sobre a origem de sua família. Mas é óbvio que nasceu e foi alfabetizado na Inglaterra – fala inglês corretissimamente, sem sotaque de estrangeiro.

zzjoe2

Um pequenino detalhe nos indica bastante da personalidade de Joe: ela pára, abaixa-se para pegar no chão uma escova de cabelo, e joga a escova na primeira lixeira que encontra pouco mais à frente.

Algumas sequências adiante, outro pequeno detalhe servirá para que o espectador saiba ainda mais sobre o garoto. Ele está na janela de sua casa, num apartamento simples, seguramente de periferia; um grupo de garotos da sua idade, garotos pobres desocupados, tipo levemente arruaceiros, olham para ele e o chamam de esquisito.

Mas voltemos às seqüências iniciais. Depois de jogar cuidadosamente no lixo a escova de cabelo que encontrou na calçada, Joe bate à porta de uma casa. Um homem abre uma portinhola quadrada de uns 30 centímetros por 30 centímetros, talvez um pouco menos – por ela o espectador vê apenas o rosto do homem que atende. Pergunta quem é, Joe diz seu nome, diz que está sendo esperado.

A mãe de Joe, Sally (Caroline Lee-Johnson) é uma das várias empregadas que trabalham na casa. Ela leva o filho até Mrs. Hopkins (Carolyn Pickles), a governanta, administradora da casa. Se Mrs. Hopkins for com a cara de Joe, ele será contratado como porteiro, para que Dave (Clive Russell), o que atendeu a porta minutos antes, possa ter um horário de folga.

E Joe é contratado.

A casa, veremos em seguida, é imensa, de vários andares, uma casa muitíssimo antiga, que havia sido inteiramente reformada. É mais que uma casa – é uma mansão, um palacete. Tem diversos quartos no segundo andar, todos inteiramente mobiliados de forma rica, elegante.

Nenhum cômodo daquele palácio é ocupado. O dono mora numa casa em frente. Chama-se Elliott Graham (o papel do veterano e grande Michael Gambon, nas fotos acima e abaixo), é bilionário e tem hábitos esquisitos. No passado distante, comprou aquela casa praticamente em ruínas, e fez a reforma. Paga quase uma dezena de funcionários para mantê-la limpa, imaculada – mas raramente a visita. A rigor, sai pouquíssimo de sua casa, a que fica do outro lado da rua.

Mas, para surpresa de todos, acaba aparecendo, fica conhecendo Joe, e gosta do garoto.

O bilionário excêntrico vai se aproximando mais e mais do garoto pobre

Numa noite em que está enfurecido por algum motivo, Dave, o até então solitário porteiro, diz para Joe que Mr. Graham foi das forças especiais do Exército, quando jovem, e matou muita gente com suas próprias mãos.

E em seguida Dave desaparece. Os outros funcionários contam para Joe que ele resolveu voltar para sua Escócia natal.

Joe é promovido a porteiro principal da casa. Recebe instruções de não deixar absolutamente ninguém entrar entre as 6 da tarde – quando as empregadas vão embora – e as 9 da noite, quando chega o guarda noturno.

O rapaz ganha até mesmo o direito de usar um bom quarto no andar térreo, quando ficar tarde demais para voltar para sua casa.

zzjoe3Um dia qualquer, a governanta da casa em frente, a casa em que mora Mr. Graham, manda Joe comprar embutidos na mercearia próxima. Basta levar um grande cartão plástico vermelho: o cartão identifica que é da casa de Mr. Graham, e a despesa será anotada.

A moça que atende Joe já conhece os costumes do vizinho bilionário. Acha estranho que aquele rapazote tenha vindo fazer as compras. Chama-se Tina – e é interpretada por Rebecca Hall (na foto acima), essa jovem atriz fascinante.

Mr. Graham convida Joe para comer com ele os embutidos comprados. O bilionário excêntrico vai se aproximar mais e mais de seu mais novo empregado.

Um ministro aparece na casa com uma moça de beleza acachapante

Surge na casa vazia um jovem bem vestido. Diz a Joe, através da portinhola, que tem um encontro com Mr. Graham mas chegou adiantado, e gostaria de esperar ali. Joe fica em dúvida, mas acaba abrindo a porta para ele. Chama-se Richard Reece (Rupert Penry-Jones), e diz a Joe que trabalha para o governo.

Joe vê Richard sair da casa vazia e ser recebido na casa de Mr. Graham. O bilionário contará para ele que Richard é o membro mais jovem do gabinete – um ministro!

zzjoe6Um belo dia Richard bate na porta da casa vazia acompanhada de uma moça cuja beleza deixa Joe – e o espectador – tonto. Chama-se Charlotte, e é interpretada por Kelly Reilly.

Kelly Reilly está mais velha, é claro, do que a Wendy de Albergue Espanhol (2002) e sua continuação, Bonecas Russas (2005), e ainda mais magra do que estava quando fez uma das moças que vão aparecer peladinhas no teatro da sra. Henderson em Sra. Henderson Apresenta (também de 2005). Está magrela, a moça, como é a moda agora, mas continua lindérrima.

O diretor – e também autor do argumento e do roteiro – Stephen Poliakoff não é bobo nem nada, e usa e abusa da beleza de Kelly Reilly. Faz vários closes do rosto dela, e ainda nos presenteia com algumas cenas de sexo em que ela aparece nua.

Richard diz a Joe que gostaria de mostrar a casa para Charlotte. Depois, pede um favor a Joe: que ele veja com Mr. Graham se seria possível que ele e Charlotte usassem de vez em quando um dos quartos da casa.

Joe consulta o patrão – e obtém dele o consentimento.

A cada nova visita de Richard e Charlotte à casa, Joe fica mais mesmerizado, encantado com a beleza da moça.

A essa altura, estamos aí com 30 minutos do filme, talvez até um pouco mais.

E me peguei torcendo para que nada desse errado para Joe, temendo que pudesse acontecer uma grande merda, uma besteira, uma tragédia.

O espectador fica torcendo por Joe. Joe é um garoto simpático, educado, boa gente; não é daquele tipo rebeldinho, contra tudo e todos; não é daquele tipo que industrializa os maus modos, a falta de polidez, a feiura. É um garoto sério, honesto. É o tipo de jovem que eu gostaria que minha neta Marina venha a ser.

Dá medo de que, por um vacilo, por uma bobagem, Joe se dê mal.

A existência de milionários e miseráveis é algo nojento, acintoso, vexaminoso

Aprendo que Stephen Poliakoff, nascido em Londres em 1952, filho de judeus ingleses e russos, é um aclamado dramaturgo, roteirista e diretor. Teve excelente formação, passou pelo King’s College de Cambridge – embora não tenha concluído o curso.

zzjoe4

É prolífico. A Wikipedia lista nada menos que 30 peças escritas por ele e encenadas em Londres. Tem diversos peças escritas para a TV. É autor de 26 roteiros para o cinema e/ou para a TV, e dirigiu 15 filmes, o primeiro dos quais, Três Amores e uma Paixão/Close my Eyes, de 1991, com Alan Rickman e Clive Owen, aborda um amor incestuoso entre um irmão e uma irmã.

O Palácio de Joe de fato é um filme estranho. Tem uma trama bem pouco usual. É uma trama que jamais é óbvia. Muito ao contrário, é tudo sutil.

Gostei muito de o filme mostrar que nem todo milionário é necessariamente mau caráter, safado, e nem todo garoto pobre é mal educado, com propensão a virar bandido – mesmo quando exposto a tentações.

Ao fim e ao cabo, é assim:

Tenho a convicção cada vez mais profunda de que a existência de bilionários é tão absurdamente errada quanto a existência de miseráveis. A existência de bilionários, assim como a de miseráveis, é algo nojento, acintoso, vexaminoso. É prova de incompetência da humanidade, da sociedade.

Já abandonei há muito tempo, é claro, a crença sonhadora de uma sociedade em que todos têm exatamente o mesmo padrão de vida. Mas continuo achando asquerosa a existência desse Grand Canyon entre uns e outros.

Creio – posso estar completamente enganado, é claro, mas creio que este filme estranho, sutil e muitíssimo bem realizado quis dizer isso mesmo que eu penso.

Anotação em maio de 2013

O Palácio de Joe/Joe’s Palace

De Stephen Poliakoff, Inglaterra, 2007

Com Danny Lee Wynter (Joe), Michael Gambon (Elliot Graham), Rupert Penry-Jones (Richard Reece), Kelly Reilly (Charlotte), Rebecca Hall (Tina), Clive Russell (Dave), Carolyn Pickles (Mrs. Hopkins), Caroline Lee-Johnson (Sally Dix, a mãe de Joe)

Argumento e roteiro Stephen Poliakoff

Fotografia Danny Cohen

Música Adrian Johnston

Produção BBC, HBO, Talkback Thames.

Cor, 108 min

**1/2

4 Trackbacks

  1. […] e a irmã, Winnie (o papel da sempre maravilhosa Rebecca Hall), estão se instalando na grande residência reservada ao diretor – a mesma que, quase 200 anos […]

  2. Por O Quarteto - Senhoras e Senhores em 22 agosto 2014 às 12:00 am

    […] ainda, além desse quarteto, Michael Gambon, 72 anos; 135 filmes e/ou séries, 18 prêmios, fora outras 11 […]

  3. Por 50 Anos de Filmes » Calvário / Calvary em 8 outubro 2015 às 2:38 am

    […] ficarão surpresas ao ver o padre James acompanhado por Fionna (o papel da linda, fascinante Kelly Reilly, da trilogia de Cedric Klapisch, de Senhora Henderson Apresenta, de O Vôo), que chega ao lugarejo […]

  4. […] e a irmã, Winnie (o papel da sempre maravilhosa Rebecca Hall, em foto mais abaixo), estão se instalando na grande residência reservada ao diretor – a mesma […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*