As Idades do Amor / Manuale d’amore 3

Nota: ★☆☆☆

Achei muito ruim, mas muito ruim demais este As Idades do Amor, no original Manuale d’am3re, de Giovanni Veronesi. São três episódios que pretendem mostrar o amor na juventude, na idade madura e na terceira idade. As histórias são todas ruins, bobas, inconsistentes, desinteressantes – e os atores, na sua quase totalidade, estão abaixo do péssimo.

Há gente bonita, extremamente bonita, na tela – e essa talvez seja a única coisa positiva que tenha este filme.

No primeiro episódio, o da juventude, Roberto (Riccardo Scamarcio, ator de fina estampa que trabalhou no ótimo O Primeiro que Disse/Mine Vaganti) é um jovem advogado que diz ter dois projetos na vida: casar com a namorada, Sara (interpretada por Valeria Solarino, moça de beleza estrondosa), e tornar-se um grande profissional. Sara tem dúvidas se quer casar já. Roberto é enviado numa missão profissional para um pequeno povoado na Toscana, e vai conhecer uma loura deslumbrante, Micol (Laura Chiatti), de comportamento bizarro.

Nesse episódio, o diretor Veronesi tenta – seguramente para seguir a longa tradição socialista do cinema italiano – estabelecer, numa trama paralela, um episódio da luta de classes, envolvendo uma família pobre de um lado e uma milionária corporação de outro. Nada funciona – nem a denúncia social, nem o namoro do moço com a moça e muito menos a história do moço com a loura esquisita.

O segundo episódio é deprimentemente horroroso. Trata de um apresentador de TV de meia-idade, Fabio (Carlo Verdone, que merece a Framboesa de Ouro especial de pior desempenho em um filme italiano nos últimos 110 anos), que tem um encontro tipo atração fatal com uma louca desvairada (Donatella Finocchiaro).

Este episódio é daquele tipo de coisa lastimável, lamentável, que transforma em grandes atores aquelas pessoas formadas na Academia Global de Artes Cênicas BBB.

No terceiro episódio há Robert De Niro e Monica Bellucci, e então as coisas melhoram – mas só um pouquinho. É interessante ver De Niro falar em italiano, a língua de seus antepassados. Ele faz um professor de história americano que, depois de um transplante de coração e um divórcio, aposentou-se e foi morar em Roma. Tornou-se amigo do zelador do velho prédio em que mora, Augusto (Michele Placido). Chega de volta, após dez anos em Paris, a filha de Augusto, Viola – a deusa Bellucci.

A história é bocó, não se sustenta de pé, mas ao menos na tela estão De Niro e La Bellucci.

Uma gigantesca porcaria, que, como tal, não merece que eu perca mais o meu tempo – nem o eventual leitor. Uma micro-anotação para filme de importância zero.

Anotação em setembro de 2012

As Idades do Amor/Manuale d’amore 3

De Giovanni Veronesi, Itália, 2011.

Com Riccardo Scamarcio (Roberto), Valeria Solarino (Sara), Laura Chiatti (Micol) (episódio Juventude);

Carlo Verdone (Fabio), Donatella Finocchiaro (Eliana) (episódio Maturidade);

Robert De Niro (Adrian), Monica Bellucci (Viola), Michele Placido (Augusto) (episódio Além).

Roteiro Ugo Chiti e Giovanni Veronesi

Fotografia Giovanni Canevari

Produção Filmauro. DVD Califórnia Filmes.

Cor, 125 min

*

 

6 Comentários para “As Idades do Amor / Manuale d’amore 3”

  1. Claudia, pior é que é verdade. Acho que ele sente um prazer especial em achincalhar essas tralhas que às vezes assiste…

  2. Cara, um amigo meu, também chamado Sérgio, me pediu pra baixar esse filme pra ele… constatei que o filme é tão ruim, que é até quase impossível achar um torrent dele pra baixar… acabei parando aqui nessa página por acaso e ri demais lendo essa crítica… se eu não encontrar pra baixar, vou falar pra ele que nem valia a pena mesmo hahahah

  3. Olá, Bruno!
    Que delícia que meu texto fez você rir.
    O filme de fato é um porre.
    Obrigado pelo comentário gostoso, bem-humorado!
    Um abraço.
    Sérgio

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *