Os títulos dos filmes estrangeiros no Brasil e em Portugal: uma louca (e até divertida) confusão

 

Por que, raios, alguém inventa um título imbecil, babaca, cretino como Noivo Neurótico, Noiva Nervosa para o maravilhoso Annie Hall? Ou Os Brutos Também Amam para Shane? Ou algo tão absolutamente pomposo como Assim Caminha a Humanidade para Giant, gigante? Ou tão distante do original The Night of the Hunter, a noite do caçador, quanto Mensageiro do Diabo? Ou O Pecado de Todos Nós para Reflections on a Golden Eye, reflexos num olho dourado?

TORRE 2Essa coisa da escolha dos títulos em português, ou mais exatamente para o mercado brasileiro, sempre me grilou, fascinou – e imagino que com muita gente que gosta de cinema aconteça a mesma coisa.

É fascinante ver que esse não é um fenômeno brasileiro, terceiro-mundista. Acontece a mesma coisa em Portugal. E também na França. E também quando um título francês é vertido para o mercado de língua inglesa. É tudo doido igual, sem parâmetro, sem explicação, sem lógica.

Por diversão, curiosidade, loucura, comecei a fazer uma tabelinha com os títulos em inglês, em francês e nos dois portugueses, para os mercados de Brasil e Portugal. Há coisas muito engraçadas.

E nunca há lógica alguma. A escolha dos títulos dos filmes estrangeiros tem menos lógica que o futebol, é mais caixinha de surpresas do que o futebol.

Por exemplo: poderíamos admitir que título de filme estrangeiro com nome próprio – Shane, Annie Hall – não vende, não atrai, e então neguinho tem que inventar um que seja mais chamativo.

Pode ser. Mas então como explicar que o filme Love and Death tenha no Brasil virado A Última Noite de Bóris Grushenko? Bóris Grushenko é nome próprio, e não existia no título original – um título que remete diretamente a Guerra e Paz, já que este filme é a homenagem de Woody Allen ao romance de Tolstói. Os exibidores portugueses perceberam isso claramente, e lá o filme se chamou Nem Guerra, nem Paz; na França, também foram fiéis à idéia do título que lembra Tolstói, e optaram por Guerre et Amour. E Annie Hall em Portugal se chamou Annie Hall. Por que, raios, A Última Noite de Bóris Grushenko, Noivo Neurótico, Noiva Nervosa?

Já na passagem para o português de Crimes and Misdemeanors – em que Woody Allen cita Crime e Castigo, de Dostoiéviski –, brasileiros e franceses foram mais próximos do original; na França fizeram mais literal, Crimes et Délits; no Brasil ficou Crimes e Pecados, o que é bem fiel à idéia original. Já os portugueses optam por Crimes e Escapadelas, o que até se justifica plenamente pela história do filme, mas parece um tanto brincalhão, um tanto pouco sério, para um filme que é duro, pesado, e a escapadela resulta em assassinato.

Não há qualquer lógica. Às vezes, o título português foge muito do original, e o brasileiro é mais fiel. Às vezes é o oposto. Às vezes o título português se aproxima do francês – e às vezes é o brasileiro que pega carona na idéia francesa. Há, naturalmente, vários casos em que o título brasileiro é idêntico ao português – mesmo quando não tem nada a ver com o título original. Há os casos em que cada um dos quatro vai para um lado diferente. Tem de tudo.

É claro que procurei botar nestas tabelas os títulos que apresentam mais disparidades – os que são todos fiéis não teriam graça, certo?

Gostaria de ir fazendo crescer esta lista. Se os leitores enviassem sugestões seria excelente, enriqueceria muito. Mas, sobretudo, precisaria da ajuda dos leitores de Portugal, porque em muitos casos não encontrei o título usado lá. Será que eles poderiam ajudar nesta brincadeira?

Há muitas coisas que quero comentar, mas vou botar o resto do texto abaixo das tabelas. Há uma para os filmes com título original em inglês, outra para os em francês. Os filmes aparecem em ordem alfabética pelo nome do diretor. (Com o Control+F, ou Control+L, claro, é possível localizar rapidamente se um título está ou não nas tabelas.)

Original em inglês Brasil Portugal França Diretor e ano
Spellbound(literalmente, enfeitiçado, encantado) Quando Fala o Coração A Casa Encantada La Maison du Docteur Edwards Alfred Hitchcock, 1945
Notorious Interlúdio Difamação Les Enchainés Alfred Hitchcock, 1946
Strangers on a Train Pacto Sinistro O Desconhecido do Norte-Expreso L’Inconnu du Nord Express Alfred Hitchcock, 1951
I Confess A Tortura do Silêncio Confesso! La Loi du Silence Alfred Hitchcock, 1952
Dial M for Murder Disque M para Matar Chamada para a Morte Le Crime était Presque Parfait Alfred Hitchcock, 1954
To Catch a Thief Ladrão de Casaca Ladrão de Casaca La Main au Collet Alfred Hitchcock, 1955
The Trouble with Harry O Terceiro Tiro O Terceiro Tiro Mais qui a tué Harry? Alfred Hitchcock, 1956
Vertigo Um Corpo que Cai A Mulher Que Viveu Duas Vezes Sueurs froides Alfred Hitchcock, 1958
North by Northwest Intriga Internacional Intriga Internacional La Mort au Trousses Alfred Hitchcock, 1959
Marnie Marnie – Confissões de uma Ladra Marnie Pas de Printemps pour Marnie Alfred Hitchcock, 1964
Family Plot Trama Macabra Intriga em Família Complot de Famille Alfred Hitchcock, 1975
Rope Festim Diabólico A Corda La Corde Alfred Hitchcock,1948
The Left Handed Gun Um de Nós Morrerá  Vicio de Matar Le Gaucher Arthur Penn, 1958
Flashbacks of a Fool Reflexos da Inocência Reencontrar o Passado Baillee Walsh, 2008
The Major and the Minor A Incrível Suzana  A Incrível Suzana Uniformes e Jupons Courts Billy Wilder, 1942
Double Indemnity Pacto de Sangue Pagos a Dobrar Assurrance sur la Mort Billy Wilder, 1944
Sunset Boulevard Crepúsculo dos Deuses  Crepúsculo dos Deuses Boulevard du Crépuscule Billy Wilder, 1950
Breakfast at Tiffany’s Bonequinha de Luxo Boneca de Luxo Diamants Sur Canapés Blake Edwards, 1961
Where Eagles Dare O Desafio das Águias O Desafio das Águias Quand les Aigles Attaquent Brian G. Hutton, 1968
The Night of the Hunter O Mensageiro do Diabo A Sombra do Caçador La Nuit du Chasseur Charles Laughton, 1955
About a Boy Um Grande Garoto Era uma Vez um Rapaz Pour un Garçon Chris Weitz e Paul Weitz
Play Misty For Me Perversa Paixão Destinos nas Trevas Um Frisson dans la Nuit Clint Eastwood, 1971
Pale Rider O Cavaleiro Solitário Justiceiro Solitário Pale Rider Clint Eastwood, 1985
Bird Bird Fim do Sonho Bird Clint Eastwood, 1988
Possessed Fogueira de Paixão Curtis Bernhardt, 1947
Dark Passage Prisioneiro do Passado O Prisioneiro do Passado Les Pasasagers de la Nuit Delmer Daves, 1947
Cowboy Como Nasce um Bravo Como Nasce um Bravo Cow-boy Delmer Daves, 1958
The Hanging Tree A Árvore dos Enforcados Raízes de Ouro La Coline des Potences Delmer Daves, 1959
Parrish No Vale das Grandes Batalhas Bonecas de Carne Le Soif de la Jeunesse Delmer Daves, 1961
Rome Adventure O Candelabro Italiano Viver é o que Importa Delmer Daves, 1962
Two Mules for Sister Sara Os Abutres têm Fome Sierra Torride Don Siegel, 1970
Dirty Harry Perseguidor Implacável A Fúria da Razão L’Inspecteur Harry Don Siegel, 1971
She’s the one Nosso Tipo de Mulher Aquela que eu Quero C’est elle Edward Burns, 1996
Gentlemen’s Agreement A Luz é para Todos A Luz é Para Todos Le Mur Invisible Elia Kazan, 1948
On the Waterfront Sindicato de Ladrões Há Lodo no Cais Sur le Quais Elia Kazan, 1954
East of Eden Vidas Amargas A Leste do Paraíso À Lest d’Eden Elia Kazan, 1955
Baby Doll Boneca de Carne A Voz do Desejo La Poupée de Chair Elia Kazan, 1956
Splendor in the Grass Clamor do Sexo Esplendor na Relva La Fièvre dans le Sang Elia Kazan, 1961
America, America A Terra do Sonho Distante América, América America America Elia Kazan, 1963
The Arrangement Movidos pelo Ódio O Compromisso L’Arrengement Elia Kazan, 1969
Lady for a Day Dama por um Dia Grand dame d’un jour Frank Capra, 1933
It Happened One Night Aconteceu Naquela Noite New York Miami Frank Capra, 1935
Mr. Deed Goes to Town O Galante Mr. Deeds Doido com Juízo L’Extravagant Mr. Deeds Frank Capra, 1936
You can’t Take it with You Do Mundo Nada se Leva Vous ne l’emporterez pas avec vous Frank Capra, 1938
Mr. Smith Goes to Washington A Mulher faz o Homem Peço a Palavra Monsieur Smith au Sénat Frank Capra, 1939
Meet John Doe Adorável Vagabundo  Um João Ninguém L’Homme de la Rue Frank Capra, 1941
Arsenic and Old Lace Este Mundo é um Hospício O Mundo é um Manicômio Arsenic et vieilles dentelles Frank Capra, 1944
It’s a Wonderful Life A Felicidade Não se Compra  Do Céu Caiu uma Estrela La Vie est Belle Frank Capra, 1946
State of the Union Sua Esposa e o Mundo  Um Filho do Povo L’Enjeu Frank Capra, 1948
Riding High Nada Além de um Desejo Jour de Chance Frank Capra, 1950
Here Comes the Groom Órfãos da Tempestade Si on Mariait Papa Frank Capra, 1951
A Hole in the Head Os Viúvos Também Sonham  Tristezas Não Pagam Dívidas Un Trou Dans la Tête Frank Capra, 1959
Pocketfull of Miracles Dama por um Dia Milliardaire d’un Jour Frank Capra, 1961
High Noon Matar ou Morrer O Comboio Apitou Três Vezes Le train sifflera 3 fois Fred Zinnemann, 1952
The Philadelphia Story Núpcias de Escândalo Casamento Escandaloso Indiscrétions George Cukor, 1940
Pat and Mike A Mulher Absoluta A Mulher Absoluta Mademoiselle Gagne-Tout George Cukor, 1952
Butch Cassidy and the Sundance Kid Butch Cassidy Dois Homens e um Destino Butch Cassidy et le Kid George Roy Hill, 1969
Sting, The Golpe de Mestre A Golpada L’Arnaque George Roy Hill, 1973
Alice Adams A Mulher que Soube Amar  Sonhos Dourados  Desirs Secrets George Stevens, 1935
Woman of the Year A Mulher do Dia A Primeira Dama La Femme de l’Année George Stevens, 1942
Shane Os Brutos Também Amam Shane L’Homme des Valées Perdues George Stevens, 1953
Giant Assim Caminha a Humanidade O Gigante Géant George Stevens, 1956
Niagara Torrentes de Paixão Niágara Niagara Henry Hathaway, 1953
Bravados, The Estigma da Crueldade O Vingador sem Piedade Les Bravados Henry King, 1958
Play it Again, Sam Sonhos de um Sedutor  O Grande Conquistador Tombe la fille et tais-toi Herbert Ross, 1972
Bringing up Baby Levada da Breca Duas Feras L’Impossible Monsieur Bébé Howard Hawks, 1938
To Have and not to Have Uma Aventura na Martinica Ter e não Ter Le port de l’angoisse Howard Hawks, 1944
Monkey Business O Inventor da Mocidade A Culpa foi do Macaco Chérie, je me sens rajeunir Howard Hawks, 1952
Out of the Past Fuga ao Passado O Arrependido La Griffe du Passé Jacques Tourneur, 1947
Humoresque Acordes do Coração  Fascinação  Humoresque Jean Negulesco, 1946
The Hudsucker Proxy Na Roda da Fortuna O Grande Salto Le Grande Saut Joel e Ethan Cohen, 1994
Stakeout Tocaia Debaixo de Olho Étroite surveillance John Badham, 1987
The Quiet Man Depois do Vendaval O Homem Tranqüilo L’Homme Tranquille John Ford, 1952
The Searchers Rastros de Ódio A Desaparecida La Prisionnière du Désert John Ford, 1956
Cheyenne Autumn Crepúsculo de uma Raça O Grande Combate Les Cheyennes John Ford, 1964
The Manchurian Candidate Sob o Domínio do Medo O Candidato da Manchúria e O Enviado da Machúria Un Crime dans la Tête John Frankenheimer, 1962
The Towering Inferno Inferno na Torre A Torre do Inferno La Tour Infernale John Guillermin, Irwin Allen, 1974
The Maltese Falcon Relíquia Macabra Relíquia Macabra Le Faucon Maltais John Huston, 1941
The Asphalt Jungle O Segredo das Jóias Quando a Cidade Dorme Quand la Ville Dort John Huston, 1950
Reflections on a Golden Eye O Pecado de Todos Nós Reflexos num Olho Dourado Reflets dans um oeil d’or John Huston, 1967
Prizzi’s Honor A Honra do Poderoso Prizzi A Honra dos Padrinhos L’Honneur des Prizzi John Huston, 1985
All About Eve A Malvada Eva Ève John Mankiewicz, 1950
Midnight Cowboy Perdidos na Noite O Cowboy da Meia-Noite Macadam Cowboy John Schlesinger, 1969
The Magnificent Seven Sete Homens e um Destino Os Sete Magníficos Les Sept Mercenaires John Sturges, 1960
Bad Girls Quatro Mulheres e Um Destino Mulheres de Armas Belles de l’Ouest Jonathan Kaplan, 1994
Gun Crazy ou Deadly is the Female Mortalmente Perigosa Mortalmente Perigosa Le Démon des Armes Joseph H. Lewis, 1950
Bus Stop Nunca Fui Santa Paragem de Autocarros Arrét d’autobus Joshua Logan, 1954
Paint your Wagon Os Aventureiros do Ouro  Os Maridos de Elizabeth La Kermesse de l’Ouest Joshua Logan, 1969
The Wind that Shakes the Barley Ventos da Liberdade Brisa de Mudança Le vent se lève Ken Loach, 2006
Message in a Bottle Uma Carta de Amor As Palavras que Nunca te Direi Une bouteille à la mer Luis Mandoki, 1999
The Prize Criminosos não Merecem Prêmio O Prêmio Pas de Lauriers pour les Tueurs Mark Robson, 1963
One-Eyed Jacks A Face Oculta  Cinco Anos Depois La vengeance aux deux visages Marlon Brando, 1961
Hud O Indomado O Mais Selvagem entre Mil Les Plus Sauvage d’entre Tous Martin Ritt, 1963
The Reckless Moment Na Teia do Destino Momento de Perdição Les Désemparés Max Ophuls, 1949
In a Lonely Place No Silêncio da Noite Matar ou não Matar Le Violent Nicholas Ray, 1950
Rebel Without a Cause Juventude Transviada Fúria de Viver La Fureur de Vivre Nicholas Ray, 1955
Party Girl A Bela do Bas-Fond A Rapariga daquela Noite Traquenard (literalmente, armadilha) Nicholas Ray, 1958
Touch of Evil A Marca da Maldade A Sede do Mal La Soif du Mal Orson Welles, 1958
River of no Return O Rio das Almas Perdidas Rio Sem Regresso La Rivière Sans Retour Otto Preminger, 1954
Dan in Real Life Eu, Meu Irmão e Nossa Namorada O Amor e a Vida Real Coup de Foudre à Rhode Island Peter Hedges, 2007
The Right Stuff Os Eleitos Os Eleitos L’Étoffe des Héros Philip Kaufman, 1983
High Sierra O Último Refúgio O Último Refúgio La Grande Évasion Raoul Walsh, 1941
Sweet Bird of Youth Doce Pássaro da Juventude Corações na Penumbra Doux Oiseau de Jeneusse Richard Brooks, 1962
Body of Lies Rede de Mentiras O Corpo da Mentira Mensonges d’État Ridley Scott, 2008
Kiss me Deadly A Morte num Beijo O Beijo Fatal En Quatrième Vitesse Robert Aldrich, 1955
Come September Quando Setembro Vier Idílio em Setembro Le Rende-vous de Septembre Robert Mulligan, 1961
To Kill a Mockingbird O Sol é Para Todos Na Sombra e no Silêncio Du Silence et des Ombres Robert Mulligan, 1962
Summer of ‘42 Houve uma Vez um Verão Verão 42 Un été 42 Robert Mulligan, 1971
The Hustler Desafio à Corrupção A Vida é um Jogo A’Arnaqueur Robert Rossen,
Phantom Lady A Dama Fantasma A Mulher Desconhecida Les mains qui tuent Robert Siodmak, 1944
Criss Cross Baixeza Dupla Traição Pour Toi j’ai Tué Robert Siodmak, 1949
The File on Thelma Jordan Confissões de Telma Duas Confissões La femme à l’écharpe pailletée Robert Siodmak, 1950
West Side Story Amor, Sublime Amor Amor Sem Barreiras West Side Story Robert Wise e Jerome Robbins, 1961
The Set-Up Punhos de Campeão Nobreza de Campeão Nous Avons Gagné Ce Soir Robert Wise, 1949
Somebody up there Likes Me Marcado pela Sarjeta Somebody up there Likes Me Marqué para la Haïne Robert Wise, 1956
Don’t Bother to Knock Almas Desesperadas Os Meus Lábios Queimam Troublez-moi Ce Soir Roy Ward Baker, 1952
Ride the High Country Pistoleiros do Entardecer Os Pistoleiros da Noite Coups de feu dans la Sierra Sam Peckinpah, 1962
Major Dundee Juramento de Vingança Major Dundee Sam Peckinpah, 1965
The Wild Bunch Meu Ódio Será Sua Herança A Quadrilha Selvagem La Horde Sauvage Sam Peckinpah, 1969
The Ballad of Cable Hogue A Morte Não Manda Recado Un Nomée Cable Hogue Sam Peckinpah, 1970
Straw Dogs Sob o Domínio do Mal Cães de Palha Les Chiens de Paille Sam Peckinpah, 1971
Good, the Bad and the Ugly, The Três Homens em Conflito O Bom, o Mau e o Vilão Le Bon, la Brute et le Truand Sergio Leone, 1966
Funny Face Cinderela em Paris Cinderela em Paris Drôle de Frimousse Stanley Donen, 1957
The Killing O Grande Golpe Um Roubo no Hipódromo L’Ultime Razzia Stanley Kubrick, 1956
Dr. Strangelove or… (etc, etc.) Doutor Fantástico ou… (etc, etc.) Dr. Estranho Amor ou… (etc, etc.) Docteur Folamour ou… (etc, etc.) Stanley Kubrick, 1964
Dirty Pretty Things Coisas Belas e Sujas Estranhos de Passagem Stephen Frears, 2002
The Star Lágrimas Amargas La Star Stuart Heisler, 1952
Cool Hand Luke Rebeldia Indomável O Presidiário Luke la Main Froid Stuart Rosenberg. 1967
Absence of Malice Ausência de Malícia A Calúnia Absence de Malice Sydney Pollack, 1981
The Postman Always Rings Twice O Destino Bate à Porta O Destino Bate à Porta Le Facteur Sonne Toujours Deux Fois Tay Garnett, 1946
Mr. Skeffington Vaidosa Femme Aimée est Toujours Jolie Vincent Sherman, 1944
The Damned don’t cry Os Desgraçados Não Choram L’Esclave du Gang Vincent Sherman, 1950
The Bad and the Beautiful Assim Estava Escrito Cativos do Mal Les Ensorcelés Vincente Minelli, 1952
Designing Woman Teu Nome é Mulher A Mulher Modelo La Femme Modèle Vincente Minnelli, 1957
Roman Holiday A Princesa e o Plebeu Férias em Roma Vacances Romaines William Wyler, 1953
The Big Country Da Terra Nascem os Homens Da Terra Nascem os Homens Les Grands Espaces William Wyler, 1958
Annie Hall Noivo Neurótico, Noiva Nervosa Annie Hall Annie Hall Woody Allen, 1971
Sleeper O Dorminhoco O Herói do Ano 2000 Woody et les Robots Woody Allen, 1973
Love and Death Última Noite de Bóris Grushenko Nem Guerra, nem Paz Guerre et Amour Woody Allen, 1975
Crimes and Misdemeanors Crimes e Pecados Crimes e Escapadelas Crimes et Délits Woody Allen, 1989
Everyone Says I Love You Todos Dizem Eu Te Amo Toda Gente Diz que te Amo Tout le Monde dit – I Love You Woody Allen, 1996
Desconstructing Harry Desconstruindo Harry As Faces de Harry Harry dans tous ses états Woody Allen, 1997
Sweet and Lowdown Poucas e Boas Através da Noite Accords et désaccords Woody Allen, 1999
Small Time Crooks Trapaceiros Vigaristas de Bairro Escroques mais pas trop Woody Allen, 2000

acartazes1

Original em francês Brasil Portugal EUA e/ou Inglaterra  Diretor e ano
La Graine et le Mulet O Segredo do Grão O Segredo de um Cuscuz Couscous Abdel Kechine, 2007
L’Une Chante, l’Autre Pas Duas Mulheres, Dois Destinos One Sings, the Other Doesn’t Agnès Varda, 1977
On Connait la Chanson Amores Parisienses  É Sempre a Mesma Cantiga Same Old Song Alain Resnais, 1997
Coeurs Medos Privados em Lugares Públicos Private Fears in Public Places Alain Resnais, 2006
Les Égarés Anjo da Guerra Strayed André Téchiné, 2003
Douce Dulce, Paixão de uma Noite Love Story Claude Autant-Lara, 1943
La Bonne Anné A Dama e o Gângster Happy New Year Claude Lelouch, 1973
Tout une Vie Toda uma Vida Toda uma Vida And Now My Love Claude Lelouch, 1974
Les Uns et les Autres Retratos da Vida Uns e os Outros Bolero. Ou Dance of Life Claude Lelouch, 1981
Roman de Gare Crimes de Autor Crossed Tracks. Ou Tracks Claude Lelouch, 2007
Fauteils d’Orchestre Um Lugar na Platéia O Lugar Ideal Avenue Montaigne. Ou Orchestra Seats Danièle Thompson, 2006
Prête-moi ta Main A Noiva Perfeita I do Éric Lartigau, 2006
La Nuit de Varennes Casanova e a Revolução The Night of Varennes Ettore Scola, 1982
Le Placard O Closet Sai do Armário The Closet Francis Veber, 2001
Le Quatre Cents Coups Os Incompreendidos Os Quatrocentos Golpes The 400 Blows François Truffaut, 1959
Tirez sur le Pianiste Atirem no Pianista Disparem sobre o Pianista Shoot the Piano Player François Truffaut, 1960
Jules et Jim Uma Mulher para Dois Jules e Jim Jules and Jim François Truffaut, 1962
La Peau Douce Um Só Pecado Angústia Silken Skin ou The Soft Skin François Truffaut, 1964
Fahrenheit 451 Fahrenheit 451 Grau de Destruição Farenheit 451 François Truffaut, 1966
La Mariée était em Noir A Noiva Estava de Preto A Noiva Estava de Luto Bride Wore Black, The François Truffaut, 1967
L’Enfant Sauvage O Garoto Selvagem O Menino Selvagem Wild Child, The François Truffaut, 1969
Les Deux Anglaises et le Continent As Duas Inglesas e o Amor As Duas Inglesas e o Continente Two English Girls François Truffaut, 1971
Une Belle Fille Comme Moi Uma Jovem Tão Bela Como Eu Uma Bela Rapariga Such a Gorgeous Kid Like Me François Truffaut, 1972
La Nuit Américaine A Noite Americana A Noite Americana Day for Night François Truffaut, 1973
L’Argent de Poche Na Idade da Inocência Na Idade da Inocência Small Change François Truffaut, 1976
L’Homme qui Aimait les Femmes O Homem que Amava as Mulheres O Homem que Gostava das Mulheres Man Who Loved Women, The François Truffaut, 1977
La Chambre Verte A Câmara  Verde O Quarto Verde Green Room, The François Truffaut, 1978
Vivement Dimanche De Repente, num Domingo Finalmente!, ou Finalmente Domingo Confidentially Yours François Truffaut, 1983
Le Plus Beau Métier du Monde Nosso Professor é um Herói The Best Job in the World Gérard Lauzier, 1996
Aime Ton Père Meu Pai, Meu Filho Um Pai… E um Filho A Loving Father Jacob Berger, 2002
Les Parapluies de Cherbourg Os Guarda-Chuvas do Amor Os Chapéus de Chuva de Cherburgo The Umbrellas of Cherbourg Jacques Demy, 1964
À Bout de Souffle Acossado O Acossado Breathless Jean-Luc Godard, 1960
Pierrot le fou O Demônio das 11 Horas Pedro o Louco Pierrot le fou Jean-Luc Godard, 1965
Un Long Dimanche de Fiançailles Amor Eterno Um Longo Domingo de Noivado A Very Long Engagement Jean-Pierre Jeunet, 2004
Le feu follet Trinta Anos Esta Noite Fogo Fátuo A Time to Live and a Time to Die Louis Malle, 1963
Fatale Perdas e Danos Relações Proibidas Damage Louis Malle, 1992
La Môme Piaf – Um Hino ao Amor La Vie en Rose La Vie en Rose Olivier Dahan, 2007
L’Homme du Train Uma Passagem para a Vida The Man on the Train Patrice Leconte, 2002
Le Roi de Coeur Este Mundo é dos Loucos O Rei dos Doidos King of Hearts Philippe de Broca, 1966
Est-Ouest Leste-Oeste Vida Prometida East-West Regis Wargnier, 1999
Plein Soleil O Sol por Testemunha Purple Noon. Ou Blazing Sun René Clément, 1960
Palais Royal Palácio Real Dondoca à Força Valérie Lemercier, 2005
Comme les Autres Baby Love Baby Love Vincent Gareng, 2008

          Tem até título bom

 Tem mesmo de tudo. Tem até casos em que, mesmo fugindo do título original, obtém-se um bom título, como Rastros de Ódio, a melhor das três traduções de The Searchers, o clássico de John Ford de 1956 em que o personagem de John Wayne passa mais de dez anos procurando pela sobrinha raptada por índios. Searchers, buscadores, é de fato difícil de se passar para o português; Rastros de Ódio foi uma boa saída, me parece – melhor que a opção de Portugal, A Desaparecida, e que a da França, La Prisonnière du Désert.

apistoleirosOutro western que acabou tendo um título feliz no Brasil foi o pouco conhecido Ride the High Country, belíssimo filme de Sam Peckinpah de 1962, seu primeiro longa-metragem (foto). O título original faz referência ao planalto, às montanhas onde a ação se passa – dois velhinhos (Randolph Scott e Joel McCrea) fazendo a escolta de um carregamento de ouro num Oeste outonal, na temperatura, na época do ano, nas árvores de folhas amarelas e no figurativo, de final de era, um novo tempo que deixava o bangue-bangue para trás. Os franceses foram atrás da idéia de High Country e criaram Coups de feu dans la Sierra, golpes de fogo na serra com sotaque mexicano. Os ingleses, aquele país onde se diz que na América não falam inglês há décadas, tiveram uma bela sacada com o tom outonal do filme e traduziram para Guns in the Afternoon. Portugueses e brasileiros seguiram essa trilha; Portugal radicalizou com Os Pistoleiros da Noite. O Brasil fez bonito, com Pistoleiros do Entardecer – entardecer, fim de feira, fim de época.

Bonequinha de Luxo, o título brasileiro de Breakfast at Tiffany’s, o filme de Blake Edwards de 1961, baseado no conto de Truman Capote sobre garota do interior que vai para a capital do mundo, interpretada por uma diáfana Audrey Hepburn, é distante do original, mas é um bom título, próximo do escolhido pelos portugueses, Boneca de Luxo; e a saída dos franceses também foi boa, Diamants Sur Canapé.

A Malvada, para o filme de Mankiewicz sobre as invejas e as sacanagens do mundo do teatro de Nova York, estrelado por Bette Davis, que fez mil papéis de malvada, também é um bom título – até por induzir o espectador ao erro sobre quem é a malvada. Poderia perfeitamente ser Tudo Sobre Eva, literal de All About Eve, mas ficou bom. Os portugueses e franceses foram mais diretos e lá o filme se chamou respectivamente Eva e Ève.

         Alguns títulos deixam marca

Há as traduções que acabam ficando marcantes. The Magnificent Seven, de John Sturges, de 1960, a transposição para o western do clássico Os Sete Samurais, de Kurosawa, em Portugal teve um título mais literal, Os Sete Magníficos. Na França, teve um título a rigor correto, embora distante do que o filme queria realçar, Les Sept Mercenaires. Os sete caras trabalhavam por dinheiro, é verdade, mas o importante é que eram magníficos. No Brasil o filme virou Sete Homens e um Destino. A fórmula deu tão certo que rendeu filhotes. Butch Cassidy and the Sundance Kid, de George Roy Hill, de 1969, que no Brasil virou só Butch Cassidy, em Portugal foi Dois Homens e um Destino. E Bad Girls, sobre as aventuras de quatro belas mulheres no Oeste selvagem e machista, que em Portugal se chamou Mulheres de Armas, no Brasil foi Quatro Mulheres e um Destino.

atokillNa adolescência, nos anos 60, vi o maravilhoso O Sol é Para Todos, de Robert Mulligan, de 1962, com Gregory Peck interpretando Atticus Finch, um dos personagens mais íntegros, admiráveis, da história do cinema. Depois comprei e li o livro de Harper Lee que originou o filme; era uma edição da Civilização Brasileira, na época a melhor editora do país. O livro, que havia sido lançado nos Estados Unidos em 1960, chegou aqui depois do filme (tenho quase absoluta certeza disso), e por isso também se chamou O Sol é Para Todos. Poderiam ter se chamado, os dois, Matar um Passarinho – já que mockingbird, do título original To Kill a Mockingbird, é, segundo os dicionários, “um pássaro canoro americano, que imita o trinado de outras aves (Mimus polyglottus)”, ou seja, um passarinho que não tem um nome popularmente conhecido em português.

Aí os caras da distribuidora do filme no Brasil se saíram com O Sol é Para Todos. Bonito – um título amplo, geral e irrestrito, que até faz lembrar um pouco Hemingway, O Sol Também se Levanta.

Só bem mais recentemente vi Gentlemen’s Agreement, de Elia Kazan, de 1947, outro filme extraordinário, em que o mesmo Gregory Peck interpreta outro personagem íntegro, admirável, que, como Atticus Finch, enfrenta o racismo. No Brasil Gentlemen’s Agreement tinha tido o título de A Luz é Para Todos. Imagine se não foi esse o raciocínio dos caras da distribuidora de To Kill a Mockingbird: filme preto-e-branco, Gregory Peck, sujeito íntegro que enfrenta o racismo – ah, vai ser O Sol é Para Todos.

O filme de Kazan teve o mesmo título no Brasil e em Portugal, A Luz é para Todos. Na França, Gentlemen’s Agreement virou Le Mur Invisible. Tem a ver com a história, claro – o racismo é um muro invisível. Mas por que não simplesmente o literal Acordo de Cavalheiros? Já no caso de To Kill a Mockingbird, aqui O Sol é Para Todos, portugueses e franceses optaram pela mesma idéia: Na Sombra e no Silêncio em Portugal, Du Silence et des Ombres na França.

amarilynNessa coisa de um título influenciar outro, me ocorreu o seguinte. Em 1989, fez um bom sucesso de público o Querida, Encolhi as Crianças, tradução literal do original Honey, I Shrunk the Kids. O filme teve, se não me engano, duas continuações, as duas com títulos seguindo essa fórmula. Em 1952, um marqueteiro imaginativo da distribuidora francesa de Monkey Business, de Howard Hawks, havia criado o título Chérie, je me sens rajeunir – de fato, o personagem de Cary Grant, um cientista doidão, se sentia rejuvenescer quando bebia a droga que testava nos macacos; Marilyn Monroe fazia um papel secundário, como uma secretária boazuda (foto). No Brasil o filme chamou O Inventor da Mocidade, e, em Portugal, A Culpa foi do Macaco. Pois dá pra desconfiar que alguém soprou aquele esquema francês de “Querida, me sinto rejuvenescer” para o filme de 1989 com Rick Moranis. Ou não?

         Alguns o tempo muda

Para escolher os títulos que botei aí nas duas tabelas, não segui nenhum tipo de método – a pesquisa foi bem sem rumo, quase ao léu, ou randômica, como agora se diz. (Só fiz o Word ordenar os filmes, depois da pesquisa, pelo nome do diretor.) Na verdade, o início das tabelas acima, e desta anotação aqui, foi o livro Film Noir, de Alain Silver, James Ursini e Paul Duncan; ganhei de presente da Mary a edição portuguesa, lá atrás, em 2006, e fiquei espantado com a disparidade dos títulos lá e aqui; comecei a fazer uma tabela na época, em laudas que ficaram lá dentro do livro. Agora, com o site, e minha vontade de colocar sempre que possível os títulos em Portugal, já que há muitos acessos vindos da pátria-mãe, resolvi juntar mais e mais exemplos e, com a ajuda do Cinéguide e do iMDB, ir atrás também dos títulos na França. (Em Belo Horizonte, nos anos 60, tinha nego que gostava de falar os títulos em francês, mesmo dos filmes americanos, pra demonstrar que tinha ao menos dado uma folheada no Cahiers du Cinéma… Eta ferro, o que é o comportamento humano.) Aí fui pelos grandes diretores.

Então, as tabelas acabaram tendo mais filmes antigos do que novos. Mas o que dá para perceber é que não mudou muita coisa, da década de 1940 para esta década dos 2000. Claro, antigamente havia uma tendência um pouco maior para uma dramaticidade, uma coisa meio tango, meio bolero, exagerada, melô: Os Desgraçados Não Choram (tradução literal do título original), Festim Diabólico, Fogueira da Paixão, A Mulher que Soube Amar, Vitória Amarga, Lágrimas Amargas. Mas no limiar dos anos 70 ainda se transformava The Wild Bunch, que em Portugal foi o literal A Quadrilha Selvagem, em Meu Ódio Será Sua Herança. E estão aí hoje, em cartaz nos cinemas e na TV, filmes recentes com títulos como Cabana Macabra, Há Tanto Tempo que Te Amo, Tinha que Ser Você, A Vingança dos Derrotados. Não mudou tanto…

Alguns títulos de filmes, no entanto, mudam com o tempo. O que gerações brasileiras conheceram como Relíquia Macabra (olha a dramaticidade dos anos 40 aí) foi lançado em DVD como O Falcão Maltês, tradução literal de The Maltese Falcon, a estréia de John Huston, em 1941. O mesmo aconteceu com o filme que fez babar gerações com o nome de Houve uma Vez um Verão; no DVD, virou Verão de 42, idêntico ao original Summer of ’42.

         O belo sotaque luso

aparapluieHá ainda filmes que botei nas tabelas não porque tiveram títulos muito diferentes nas três línguas, mas simplesmente porque achei extremamente saboroso o sotaque português. É o caso de Les Parapluies de Cherbourg, de Jacques Demy, com Catherine Deneuve, que teve tradução literal em inglês, The Umbrellas of Cherbourg, um pequeno criativol no Brasil, Os Guarda-Chuvas do Amor, e, em Portugal, virou o delicioso Os Chapéus de Chuva de Cherbourgo.

A delícia do sotaque português aparece também em Paragem de Autocarros, o filme de Joshua Logan de 1954 em que uma Marilyn Monroe de meias negras e xadrez e coxas à mostra deixou multidões babando mundo afora – de resto, uma tradução literal do original Bus Stop, que os franceses também traduziram literalmente para Arrét d’Autobus. No Brasil abriram o vidro de criativol e, talvez inspirados na persona de Marilyn, inventaram um Nunca Fui Santa.

O sotaque luso delicia também em A Rapariga daquela Noite, com uma estonteante Cyd Charisse dirigida por Nicholas Ray, em 1958. Este filme, aliás, é um daqueles exemplos perfeitos de cada país indo para um lado diferente ao escolher o título. O original é Party Girl, simples assim, garota de festa. Os franceses o chamaram de Traquenard – armadilha. O Brasil foi de A Bela do Bas-Fond. Cem reais para o brasileiro nascido depois de 1958 que souber o que significa bas-fond.

Agosto de 2011

18 Comentários

  1. valdir sanches
    Postado em 12 julho 2009 às 8:55 pm | Permalink

    Sérgio Vaz, belo trabalho esse de comparar as traduções dos filmes. Alguns que achei bons na versão em português, tive o prazer de ver citados, depois, por você. Caso de Bonequinha de Luxo e Pacto Sinistro. Também gostei de Cinderela em Paris. A introdução da lista está muito divertida – e diversão de qualidade está fazendo muito bem nos dias de hoje. Parabéns.

  2. Edmundo
    Postado em 12 julho 2009 às 9:18 pm | Permalink

    Eu ia dizer que “Rastros de Ódio” é melhor que o original, mas já tá dito lá, exatamente o que eu ia dizer.

    Um bom para entrar na tabela é “Quando explode a Vingança – Giu La Testa – Duck, Your Sucker – Era Uma vez na Revolução…” Como será que ficou em Portugal?

    Abração

  3. Sandro Vaia
    Postado em 15 julho 2009 às 9:32 pm | Permalink

    Sergio Vaz,
    Lembra daquele filme sobre o julgamento de professor que ensinava o evolucionismo de Darwin na escola de uma cidade do interior dos EUA? O elenco tinha Spencer Tracy, Fredric March e Gene Kelly.Tinha um nome sonoro,acho que “O Vento Será Tua Herança”.Você se lembra do nome original?

  4. Sérgio Vaz
    Postado em 16 julho 2009 às 1:10 am | Permalink

    Sem dúvida, esse é um bom filme para entrar na lista. O título original é Inherit the Wind, herdar o vento, herdarás o vento. Vejo que os franceses foram de Le Procès de Singe, os espanhóis de La Herância del Viento. Ainda segundo o iMDB, a Itália optou por E l’uomo creò Satana!, com exclamação e tudo.

  5. xx
    Postado em 30 março 2010 às 1:00 am | Permalink

    um título que foi curioso no Brasil: Down by law – daunbailó do Jim Jarmusch

  6. Postado em 9 maio 2010 às 4:32 am | Permalink

    “A streetcar named desire” (Um bonde chamado desejo), de Elia Kazan, passar para “Uma rua chamada pecado” é o que há de moralizante num título.
    E nada mais ridículo que um título brasileiro como “Fé demais não cheira bem”, para um filme cujo título original me escapa, com Steve Martin. É o horror, é o horror!!

  7. Postado em 29 novembro 2011 às 6:26 pm | Permalink

    Oi, Sérgio, aí vai a minha contribuição. Sabem o q eu li a propósito dessas traduções sem propósito outro dia, na Internet. Que não era à toa q na hora de virem os créditos, ao início ou ao final do filme, nunca vinham os dos tradutores. Vcs já viram tb as pessoas q fazem as legendas de filmes? Já vi Yo te quiero, do espanhol, traduzido como eu te quero e não eu te amo…sem comentários.
    Guenia
    http://www.sospesquisaerorschach.com.br

  8. Marcia Rebollal
    Postado em 20 janeiro 2012 às 6:03 am | Permalink

    Sem falar em “Splendor in the grass” que virou o tenebroso “Clamor da carne” ugh!
    Marcia Rebolal

  9. Margarida Vaz
    Postado em 5 novembro 2012 às 1:14 am | Permalink

    Bom dia Sergio,

    Pois é nos temos um nome de familia que pelo que sei nao se pode traduzir!!! e como costumo dizer a brincar, temos um “primo” muito celebre que o partilhou!!!

    Bom mas isto foi so um aparte!
    Ando a procura de um filme que vi quando miuda. E vim dar aqui ao seu site.
    Pelo que sei a questao das traduçoes as vezes bastante irrealistas dos nomes dos filmes, tem a ver com uma questao economica!
    Vivo em França e por vezes quando quero encontrar um filme, tenho dificuldades por ex quando vou a Portugal, por causa justamente da mudança dos titulos!
    Ainda nao li a lista toda dos filmes que aqui expos mas se puder ajudar vou fazê-lo.
    Terei mais facilidade com os titulos em frances pois como disse é aqui que vivo.

    O filme que procuro, ainda o vi quando vivia em Portugal. Lembro-me que foi no cinema, pois ir ao cinema na altura era algo de extraordinario e claro que marcava a lembrança.
    Era um filme ingles, passava-se em Inglaterra (lembro por causa de maneira como se vestiam para ir a escola) e penso que devia ser nos arredores de Londres.
    O que me ficou da historia desse filme foi a de duas crianças que se adoram e no fim do filme fogem, como adultos.
    Nao tera marcada a memoria de outras pessoas, mas a mim sim pois tinha o mesmo desejo de fugir e achei estupendo o que vi!!!! So que no filme eles nao explicavam como fazer!!!!!!

    Lembranças que tenho com ternura! Nem sei se esse filme existe ainda se ele foi exito, nada!
    Vou continuando pode ser que de com ele.

    Entao ate um dia destes e vou reler a sua lista.

    Margarida Vaz

  10. sergio cabral
    Postado em 26 julho 2013 às 3:40 pm | Permalink

    Olá, fãs de filmes, tenho 46 anos e qdo tinha aproximadamente 8, assisti um filme que ficou marcado em minha memória até hoje. A verdade é que não sei e nem faço idéia de qual seja o título, mas a estoria conta que um minerador negro fica preso dentro uma mina após um ataque de bombas de neutróns, alguns dias depois achando que seus colegas desistiram do resgate ele consegue sair e percebe que não existe mais ninguem exceto ele. O filme se passa em Nova Yorque e no decorrer da estoria o mineiro descobre o que houve, encontra uma loira pela qual se apaixona e aí começa outra estoria…
    Se alguém souber que filme é esse e onde
    encontra-lo, por favor, mande um e-mail para Kbral_kbral@hotmail.com , ficarei grato e talves consiga tira-lo da cabeça rs. abraço a todos e parabéns pelo trabalho maravilhoso.

  11. Sérgio Vaz
    Postado em 26 julho 2013 às 4:04 pm | Permalink

    Olá, Sérgio.
    O filme que você cita é – muito provavelmente – “O Diabo, a Carne e o Mundo”. O negro é interpretado por Harry Belafonte. A loura, por Inger Stevens. E o branco que os dois encontram depois, por Mel Ferrer.
    Veja sobre o filme no IMDb:
    http://www.imdb.com/title/tt0053454/
    Um abraço.
    Sérgio

  12. Carlos
    Postado em 30 julho 2013 às 10:09 pm | Permalink

    Na França “O Cangaceiro” teve o título de “Sans Peur, Sans Pitié” (Sem medo,sem piedade), e nos EUA “The Ninth Bullet” (A nona bala).

  13. paulo guarnieri
    Postado em 25 agosto 2013 às 3:13 pm | Permalink

    Psicose não foi traduzido em Portugal para O Filho Que Era Mãe? Há exemplo de nome pior que esse?

  14. Sérgio Vaz
    Postado em 27 agosto 2013 às 1:50 am | Permalink

    Não, Paulo. “Psicose” em Portugual se chama “Psico”. Essa história de O Filho Que Era Mãe é uma piada, só isso.
    Um abraço.
    Sérgio

  15. Nilson Rogério
    Postado em 14 fevereiro 2015 às 5:08 pm | Permalink

    Excelente lista. Também sempre fiquei intrigado com esses títulos cafonas.

    Algumas adições: “Twelve O’Clock High”, com o Gregory Peck virou “Almas em Chamas”, pode? Notei que havia nas décadas de 50 e 60 no Brasil de dar títulos romanticizados, tipo os encontrados nos livros pseudo-literários Sabrina e Júlia”, pois palavras como “almas”, “suplício”, etc. davam um tom melodramático que provavelmente apelava muito ao público feminino da época – talvez com a intenção de ludibriá-lo que haveria algum romance. No caso de “Almas em Chamas” não há sequer um elenco feminino presente, na maioria das cenas; pois se trata de um esquadrão aéreo que surpreende os nazistas atacando em plena luz do dia – portanto o “Twelve O’clock” do filme!

    Mas o pior título que já vi, em termos de tradução mal-feita, foi “The Evil Dead” (Algo como Os Mortos Maléficos): Algum energúmeno provavelmente achou que “dead” fosse morte em inglês (na verdade é “Death”) e “evil” fosse o demônio, o tinhoso (na verdade é “Devil” em inglês!!

    Já que “Morte do Capeta” soaria mais como um longa do Zé do Caixão, tascaram o “A Morte do Demônio”: Quando o assistí nos anos 80, fiquei esperando matarem o capeta mas tudo que Bill Campbell matava eram os zumbis (os mortos malvados do título original!

  16. Ana Clara
    Postado em 25 abril 2016 às 12:00 am | Permalink

    Oi! Adorei a lista, realmente alguns titulos não tem nada a ver e podem até passar uma impressão errada sobre o filme. Um exemplo disso é Os amores de Pandora, de 1951, cujo titulo original é “Pandora and the flying Dutchman”.Apesar de o filme não fugir do gênero romance, o nome que deram no Brasil deixa um tom muito água com açúcar, mesmo sendo mais comercial e poético.

  17. José Luís
    Postado em 7 junho 2017 às 3:03 pm | Permalink

    Há uma pérola da asneira nos títulos de filmes em Portugal: A Hard Day’s Night, o famoso filme dos Beatles chama-se por estes lados… segurem-se bem… Os Quatro Cabeleiras do Após-Calypso! O autor desta preciosidade calculo que tenha tido um esgotamento cerebral depois do esforço para imaginar isto.

  18. Sérgio Vaz
    Postado em 8 junho 2017 às 4:24 pm | Permalink

    Nossa Mãe do Céu, José Luís!
    De fato, essa é uma pérola! De deixar com inveja quem inventou “Depois Daquele Beijo” para “Blow-up” e “Noivo Neurótico, Noiva Nervosa” para “Annie Hall”!
    Muito obrigado pela colaboração!
    Um abraço.
    Sérgio

16 Trackbacks

  1. […] Título em Portugal: Alguns Dias em Setembro Artigo postado em Europa e rotulada 2000's, Aventura, EUA-Europa: amor e ódio, Nota 0.5, Suspense. Acompanhe todos os comentários pelo RSS feed deste artigo. Postar um comentário ou deixar um trackback: Url do Trackback. « Noites com Sol / Il Sole anche di Notte Retorno a Howards End / Howards End » […]

  2. Por 50 Anos de Filmes » Rede de Mentiras / Body of Lies em 26 fevereiro 2010 às 12:29 am

    […] Título em Portugal: O Corpo da Mentira. Na França: Mensonges d’État. Artigo postado em EUA e Canadá e rotulada 2000's, Drama, Nota 2.5, Política, Terrorismo. Acompanhe todos os comentários pelo RSS feed deste artigo. Postar um comentário ou deixar um trackback: Url do Trackback. « A Casa ao Lado / The House Next Door Os filmes que não suportei ver até o fim (1) » […]

  3. Por 50 Anos de Filmes » Medo e Obsessão / Land of Plenty em 27 fevereiro 2010 às 12:26 am

    […] O título brasileiro faz sentido: os Estados Unidos viviam um clima de medo e obsessão. Mas o título de Wenders é muito mais significativo. Land of Plenty, a terra da prosperidade, da opulência, da abundância – uma ironia forte como o filme. (Em Portugal, o filme teve o título literal de Terra da Abundância.) […]

  4. […] Título em Portugal: Contando Ninguém Acredita Artigo postado em EUA e Canadá e rotulada 2000's, Comédia, Ficção/Fantasia, Nota 3.5. Acompanhe todos os comentários pelo RSS feed deste artigo. Postar um comentário ou deixar um trackback: Url do Trackback. « Um Crime de Mestre / Fracture O Último Rei da Escócia / The Last King of Scotland » […]

  5. […] Título em Portugal: Os Despojos do Dia Artigo postado em EUA e Canadá, Europa e rotulada 1990's, Drama, Nota 4, Política, Romance. Acompanhe todos os comentários pelo RSS feed deste artigo. Postar um comentário ou deixar um trackback: Url do Trackback. « (500) Dias com Ela / (500) Days of Summer Um espaço para bater papo na hora do Oscar, domingo » […]

  6. Por 50 Anos de Filmes » A Partida / Okuribito em 20 abril 2010 às 12:02 am

    […] mínimo: não sei se o título original japonês, que na transposição para o alfabeto ocidental é Okuribito, é plural ou singular. Os […]

  7. Por 50 Anos de Filmes » Nunca Mais / Enough em 28 abril 2010 às 9:13 pm

    […] Título em Portugal: Basta Artigo postado em EUA e Canadá e rotulada 2000's, Drama, Nota 1, Violência Doméstica e Abuso. Acompanhe todos os comentários pelo RSS feed deste artigo. Postar um comentário ou deixar um trackback: Url do Trackback. « Tudo por Amor / Pour Elle A Fronteira da Alvorada / La Frontière de l’Aube » […]

  8. […] Título na França: Dans ses yeux Artigo postado em América Latina e rotulada 2000's, Crime, Drama, Nota 4, Romance. Acompanhe todos os comentários pelo RSS feed deste artigo. Postar um comentário ou deixar um trackback: Url do Trackback. « O Que Há, Tigresa? / What’s up, Tiger Lily? O Tempo é uma Ilusão / It Happened Tomorrow » […]

  9. […] Noivo Neurótico, Noiva Nervosa é um dos seriíssimos candidatos ao prêmio de mais ridículo título em português que um filme jamais teve. Noivo Neurótico, Noiva Nervosa/Annie […]

  10. […] – assim como os portugueses, os franceses, os americanos. Já fiz um post com uma gigantesca tabela de títulos imbecis, esquisitos, loucos, absurdos. Pelo sujeito que bolou este título, O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas, […]

  11. […] (Para ver como cada país dá um título diferente aos filmes de Capra, há uma tabela com diversos exemplos aqui.) […]

  12. […] Título em Portugal: A Luz é para Todos. Na França: Le Mur Invisible. […]

  13. […] A bobagem do título à parte, quis começar esta anotação com a discordância entre Harry e Sally sobre Casablanca […]

  14. Por 50 Anos de Filmes » 2.000! em 30 junho 2013 às 11:03 pm

    […] claro); outra longa pensata sobre os filmes que lutam contra o racismo e o xenofobia; um texto com grandes tabelas comparando os títulos originais de filmes com títulos dados a eles no Brasil e em …; uma gigantesca tabela com as datas de nascimento de realizadores e […]

  15. […] voltando à Incrível Suzana, o título original também mostra o que seria uma marca registrada de Wilder: o jogo inteligente com as palavras. The […]

  16. […] ruins, feios, às vezes grotescos, ou então distantes do sentido do original. Há neste site um longo texto sobre isso, com tabela dando dezenas de exemplos de títulos brasileiros disparatados, ridículos, […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*