O Caçador de Pipas / The Kite Runner


Nota: ★★★★

Anotação em 2009: Grande filme. Tudo é excelente, tudo é de primeiríssima qualidade. Mas o mais impressionante de tudo, me pareceu, e à Mary também, é a extrema fidelidade do filme ao romance de Khaled Hosseini.

Não é um livro fácil de ser adaptado para o cinema – muito ao contrário. A ação se passa em três períodos diferentes de tempo, os anos 70, os anos 80, a primeira década de 2000, e em três diferentes países, Afeganistão, Paquistão e Estados Unidos; tem uma trama intrincada, cheia de personalidades, fatos históricos, uma grande densidade na construção dos personagens, uma profunda viagem à consciência do protagonistas. Seria necessariamente uma produção cara – e é duro bancar um orçamento alto para um filme sem um astro, uma estrela, sobre um país e uma cultura distantes dos maiores mercados consumidores, e em que os personagens, na maior parte do tempo, falam uma língua bárbara. Mesmo que o livro tenha sido um sucesso.

Só o fato de o filme ter sido feito já é incrível. Que tenha sido feito tão bem, com tanto talento, e que tenha conseguido ser extremamente fiel ao livro caudaloso de Khaled Hosseini – isso é um prodígio, é de se tirar o chapéu.

É, com toda certeza, uma das melhores adaptações de obras literárias que já foram feitas.

Um pouquinho da história para quem não a conhece – mas, naturalmente, sem revelar o que não deve ser revelado. Estamos em 2000; Amir, um afegão de uns 30 e tantos anos, radicado nos Estados Unidos, na região de San Francisco, acaba de lançar seu primeiro livro, quando recebe um telefonema de um velho amigo de seu pai, que foi muito próximo dele na sua infância, Rahim Khan. Rahim está no Paquistão, e pede que Amir viaje para lá; “há uma maneira de ser bom de novo”, diz ele. Voltar para perto do Afeganistão é a coisa que Amir menos quer na vida, mas ele não tem como recusar; é um dever de consciência.

Temos então um flashback, para Cabul, em 1975, quando Amir tinha 12 anos de idade. Era filho de um homem bem rico, benquisto, viúvo (a mãe de Amir havia morrido no parto), e era amicíssimo de Hassan, filho de Ali, o criado da casa. Hassan é um hazara, uma etnia considerada inferior, quase como uma casta inferior na Índia, e tem uma fidelidade canina ao amigo-patrãozinho. Vai acontecer com Hassan uma tragédia, que Amir presencia, mas não consegue impedir; a vergonha, a autocensura, a culpa por não ter podido fazer nada pelo amigo vai moldar a personalidade de Amir e persegui-lo por toda a vida.

A narrativa vai, então, acompanhar Amir vida afora. Algum tempo depois da tragédia com Hassan, acontecerá a invasão soviética no Afeganistão; o pai de Amir fugirá com ele, primeiro para o Paquistão, e depois para os Estados Unidos. Quando a narrativa chega de volta a 2000, o ponto de partida, o telefonema de Rahim Khan, aí ela seguirá em frente, mostrando a ida de Ali ao Paquistão e de volta ao Afeganistão, na época sob um domínio ainda pior que o soviético, se é que isso é possível – o dos talibans, os ultra-fanáticos que transformaram o Islã em uma doutrina medieval e acabaram de destruir o que os russos tinham deixado de pé no país.

O roteiro – de David Benioff, um jovem nova-iorquino que é também escritor – não alterou nada na estrutura narrativa de Khaled Hosseini; o livro narra os fatos exatamente assim, nessa ordem: começa em 2000, volta até 1975, vai indo até 2000 novamente e aí avança. Praticamente todos os muitos acontecimentos narrados no livro estão presentes no filme – tanto os intimistas, da vida daqueles personagens, quanto os históricos, a grande História por trás da história dos personagens, o Afeganistão estuprado, destruído.

Os produtores chegaram a pensar em fazer um filme todo falado em inglês; o maior mercado consumidor, o americano, é refratário a filmes com legendas, a possibilidade de retorno do investimento fica muitíssimo menor. E os americanos têm uma longa tradição – tão longa quanto a história do cinema falado – de botar chineses, japoneses, alemães, italianos, o que for, falando em inglês. O diretor Marc Forster – de Mais Estranho que a Ficção/Stranger than Fiction, de 2006, e Em Busca da Terra do Nunca/Finding Neverland, de 2004, dois bons filmes – insistiu em que os diálogos em Cabul, entre afegãos, deveriam ser na língua local, o dári, ou persa oriental. Ainda bem. Seguramente o filme seria muito pior se tivéssemos que ouvir as conversas dos garotos Amir e Hassan, ou os diálogos entre Amir e o Baba, o pai, em inglês.

As filmagens de O Caçador de Pipas aconteceram como se fossem na torre de Babel – falavam-se as mais diferentes línguas entre os atores e a equipe. Por questões orçamentárias, boa parte das filmagens aconteceu na China, na região de Kashgar – bem a Oeste no território chinês, numa região já próxima do Paquistão e do próprio Afeganistão, onde parte da população é muçulmana. Os garotos que interpretam os principais personagens dos fatos dos anos 70 foram escolhidos em Cabul mesmo, entre crianças que falam o dári como língua mãe. O ator que faz Amir adulto, Khalid Abdalla (de Vôo United 93/United 93), nascido na Escócia, é filho de egípcios, estudou em Cambridge – e teve que aprender o dári para interpretar o papel. Os outros atores vieram de várias partes do mundo.

Nos especiais do DVD do filme, podem-se ver cenas das filmagens, em que as ordens do diretor suíço Marc Forster são traduzidas para o chinês, para o dári – uma autêntica Babel. Também nos especiais, o roteirista David Benioff fala sobre esse internacionalismo do filme, baseado em livro de um escritor afegão-americano, adaptado por um nova-iorquino, dirigido por um suíço, com uma produtora australiana, filmado na China, com meninos de Cabul, o ator que faz o Baba um iraniano, outros atores vindos da Inglaterra e da França, com trilha sonora de um espanhol (Alberto Iglesias, colaborador de Almodóvar), “todos juntos para fazer um filme que trata sobre o Afeganistão”. “É meio bizarro, mas deu certo”, diz ele.

O visual do filme é deslumbrante. As seqüências do campeonato de pipas, quando estamos com uns 20, 30 minutos de filme, pouco antes da tragédia que se abate sobre Hassan e Amir, são extraordinariamente bem feitas, um show visual emocionante, com a câmara percorrendo as ruelas pobres de Cabul, alternando com cenas feitas a partir de um helicóptero; tudo bem que aquilo só foi possível graças às imagens geradas por computador, mas isso não importa. As seqüências são belíssimas. Qualquer pessoa que tiver lido o livro ficará emocionada ao ver as cenas; quem não tiver lido o livro também – mas, como sempre, sai ganhando quem tiver antes lido o texto.

De fato, deu certo, como diz o roteirista. É um belo filme, um épico dos tempos modernos, um Lawrence da Arábia do novo século, com o desenrolar da grande História misturando-se a histórias íntimas, dramas psicológicos bem focados – algo que de fato faz lembrar o gigante David Lean. Daquelas coisas que mostram como é absurda e contraditória a humanidade: a mesma raça que produz o taliban e mata a pedradas a mulher acusada do crime de adultério é capaz também de produzir belezas como este filme.

O Caçador de Pipas/The Kite Runner

De Marc Forster, EUA, 2007

Com Khalid Abdalla (Amir adulto), Keziria Ebrahimi (Amir criança), Ahmad Khan Mahmoodzada (Hassan), Homayoun Ershadi (Baba), Saun Toub (Rahim Khan), Atossa Leoni (Soraya), Ali Danish Bakhty (Sohrab)

Roteiro David Benioff

Baseado no romance de Khaled Hosseini

Fotografia Roberto Sheafer

Música Alberto Iglesias

Produção Dreamworks, Participant, Sidney Kimmel Entertainment. Estreou em SP 18/1/2008

Cor, 128 min.

****

Título em Portugal: O Menino de Cabul

7 Comentários

  1. Jussara
    Postado em 6 junho 2009 às 5:52 pm | Permalink

    O filme é bom, mas não achei tão fiel ao livro…o livro tem umas passagens de fina ironia, apesar de todo o drama, e muitas partes foram cortadas, principalmente no desenrolar, indo pro final. Ele tb é muito mais denso e envolvente.
    Achei algumas sequências do filme hollywoodianas demais e inverossímeis. Sem falar que não tiveram cuidado na escolha de alguns personagens depois de adultos, como foi o caso do cara da gangue, de quando eles eram crianças. Lembro que no livro a cor dos olhos dele era marcante e no filme isso mudou completamente. Quando criança, ele era de um jeito, depois de adulto mudou até de etnia. Foi um erro grave.
    No mais, gostei muito da atuação do ator que faz o pai do Amir. Já faz tempo que vi, então não lembro de tudo, mas acho que gostei da atuação das crianças tb e desgostei da atuação dos adultos, principalmente na segunda fase.

  2. Sérgio Vaz
    Postado em 7 junho 2009 às 3:40 pm | Permalink

    Concordo com você, Jussara, quanto ao personagem de Assef, o sujeito da gangue. De fato, nisso (a ascendência, a cor dos olhos) houve uma discrepância entre o filme e o livro. Mas, de resto, acho que foi uma adaptação extremamente fiel, tão fiel quanto é possível, tanto no espírito do romance quanto na trama. É claro que nem todos os detalhes, nem todos os episódios descritos no filme estão no livro – e nem poderiam estar, é outro timing, é outro espaço de tempo, é outra linguagem. Mas todos os principais acontecimentos e sensações que o livro quer passar estão retratados, e bem retratados no filme, na minha opinião.

  3. Jussara
    Postado em 8 junho 2009 às 8:09 pm | Permalink

    É, não daria mesmo pra passar pro filme tudo que está no livro. Acho que por isso, mtas pessoas reclamam qdo um livro é transformado em filme… Sempre acham o livro melhor.

    SPOILER:

    Só que acho que a parte do resgate do menino ficou inverossímil e totalmente diferente do livro. E o Assef (não lembrava mais do nome) ficou discrepante não só entre o livro e o filme, mas tb dentro do próprio filme. Escolheram dois atores completamente diferentes pra fazer o mesmo personagem, e geralmente nos filmes eles têm o cuidado de escolher atores parecidos nessas passagens de tempo. Nesse filme então, essa semelhança era mto importante, até pro espectador. Claro que apenas isso não estragou o filme, mas eu vi vários outros defeitos, hehe.
    Ah, eu não acho que o Amir não tenha conseguido impedir a tragédia, acho que ele nem chegou a tentar; por covardia e/ou ciúme. Enfim, a trama é mto boa, apesar de todas as tragédias e dos temas delicados. Precisava ver o filme de novo pra ver se mudo de idéia em relação a filme versus livro.

  4. lucia zaidan
    Postado em 8 junho 2009 às 11:00 pm | Permalink

    Interessante – Hoje comentei com Maria Helena, minha amiga, sôbre O caçador de pipas, pois ela deu-me o livro de presente no natal de 2007, creio. Como vi o filme com o JAMIL, (copia comprada na praça 7) e gostamos muito, disse a ela para vê-lo. Achei muito bem feito, bem igual ao livro.Estou plenamente de acordo com você.Isso não é muito comum. Sempre acontece de o livro ser melhor, não é mesmo?

  5. Postado em 10 outubro 2009 às 9:05 am | Permalink

    esse filme foi um dos melhores em minha opinião, muito interesante, Alegre e ao mesmo tempo triste.
    nunca gostei de filmes assim mais depois desse que eu essisti marco muito lindo, assistir e recomendo para outras pessoas assitirem, uma ótima produção, ótimos personagens
    muito bom recomendo

  6. amaral milhomem
    Postado em 22 Maio 2013 às 5:46 pm | Permalink

    Estranho como cada pessoa observa a mesma obra e sempre ha contrastes e ate discrepancias. Talvez o momento em que se ve um filme ou a visao politica sei la, preconceito contra os trabalhos anteriores dos cineatas , atores ou roteiristas. Mas nao me parece ter sido esse tipo de situacao que me fez considerar o Cacador de Pipas uma obra ruim. Assisti num momento tranquilo e adoro Mais Estranho que a Ficcao. Acho que meu desagrado e mesmo pela historia, pois ate o livro nao me interessou muito. Acho a historia meio sem graca, tirando um ou outro dialogo fidelissimo ao livro. Sei la, nao me envolveu. Aconteceu o mesmo com Menina de Ouro e Guerra ao Terror, filmes badalados intelectualmente, mas que nao igualo a outras obras da epoca.

  7. José Luís
    Postado em 31 Maio 2015 às 10:51 am | Permalink

    Como não li o livro não posso ter opinião sobre a qualidade da adaptação. Quanto ao filme penso que está muito bem feito e que resulta inteiramente. Dou-lhe a pontuação máxima como fez Roger Ebert.

Um Trackback

  1. […] acontece com seu país, em seu país – imagine-se para platéias ocidentais. É verdade que houve O Caçador de Pipas, primeiro o livro, excepcional, de Khaled Hosseini, afegão radicado agora nos Estados Unidos. O […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*