Libertárias / Libertarias


Nota: ★★★☆

Anotação em 2009: Este é um filme descaradamente pretensioso. É um grande épico sobre a Guerra Civil Espanhola (1936-1939), mais especificamente sobre a participação de mulheres anarquistas na luta. Tem tantos discursos ideológicos quanto a coleção do Granma, o jornal oficial do governo cubano, tantos extras quanto Os Dez Mandamentos de Cecil B. de Mille e tanta violência quanto um filme de terror americano.

O filme abre com legendas que informam sobre o início da Guerra Civil, em julho de 1936: o Exército se rebela contra o governo republicano. “As massas pedem um estado revolucionário. O governo legal é incapaz de controlar a situação. Começa a Guerra Civil Espanhola, a última guerra idealista, o último sonho de um povo voltado para o impossível, a utopia”.

O catalão Vicente Aranda, um dos mais respeitados do cinema espanhol das últimas décadas, conhecido por dramas de forte erotismo (Amantes, Juana la Loca), vai discutir sobre as dissensões existentes entre os republicanos, os antifascistas – o mesmo tema também do eterno socialista Ken Loach em seu Terra e Liberdade/Land and Freedom, feito exatamente um ano antes, 1995. Eram vários grupos, de diversos matizes ideológicos, que uniram forças para enfrentar o Exército – anarquistas, comunistas, socialistas, idealistas das mais diversas nacionalidades.

O filme começa num momento em que esses grupos acabam de tomar uma cidade – não se diz qual é. Na sua fúria revolucionária, as massas estão atacando igrejas e conventos, pondo abaixo as cruzes, queimando os símbolos religiosos; era o momento da crença em que só haveria autêntica liberdade “quando o último padre fosse enforcado nas tripas do último capitalista”.

Então somos apresentados a Maria (Ariadna Gil), uma jovem freira de um convento cuja madre superiora está distribuindo dinheiro para que suas religiosas pudessem fugir e escapar dos revolucionários. Ao longo das duas horas seguintes, seguiremos a via sacra de Maria em meio ao conflito sangrento.

libertárias 1Ela foge do convento e procura abrigo em uma casa em cuja porta está pregado um panfleto católico. Ledo engano: ali é um bordel. Que, logo em seguida, recebe a visita de Pilar (Ana Belén) e duas companheiras anarquistas do movimento Mulheres Livres. As revolucionárias fazem um longo discurso sobre a liberdade, o fim da religião, da putaria, da opressão capitalista e machista. Maria e várias das putas irão juntar-se à luta de Pilar e de sua amiga Floren (Victoria Abril), que se define como “anarquista, espiritista e coxa”, e acredita que Jesus é mulher e Deus é fascista.

Assim como sabia a Bíblia de cor e salteado, a ex-freira Maria vai aprender a citar longos trechos dos manuais revolucionários de Bakunin.

Na sua fase revolucionária, John Lennon sintetizou que a mulher é o negro do mundo; Vicente Aranda mostrará que Pilar, Floren e suas companheiras anarquistas serão derrotadas duas vezes – primeiro pela decisão dos líderes republicanos de profissionalizar a luta contra os fascistas, o que não incluía mulheres no front de batalha; e, depois (o filme não mostra isso, mas sabemos o que aconteceria), a derrota geral, de todas aquelas facções, diante do fascismo.

É interessante como, bem espanholamente, Aranda não dispensa o humor, mesmo em meio a um épico sério, duro, pesado, violento, sobre a última guerra idealista, a última guerra romântica. Lá pelas tantas, nas trincheiras, no front, Floren diz: “Somos representantes de toda a sociedade: uma freira, putas, anarquistas, ladrões.” Depois de fazer um longo discurso num megafone, tentando convencer os inimigos além trincheira de que soldado também é povo, venha para o nosso lado, um revolucionário desabafa: “Em vez de lutar, fazemos discursos”.

         “É ruim esquecer”

Vejo um bom texto do El País, assinado por Diego Galán, sobre o filme. O texto é deste ano de 2009, 13 anos depois do lançamento do filme; pelo que entendi, foi escrito pela ocasião do lançamento do DVD do filme como brinde do jornal madrilenho. É repleto de informações, e por isso vou transcrevê-lo:

libetarias 2“Hacía 20 años que Vicente Aranda tenía el proyecto de realizar una película ambientada en la Guerra Civil cuyas protagonistas fueran mujeres en el frente. Había escrito un proyecto de guión (guión é roteiro) con el crítico de cine José Luis Guarner y el novelista Antonio Rabinad, pero la plasmación cinematográfica de Libertarias no ocurrió hasta 1996. “Es malo olvidar”, explicó en Fotogramas antes de rodar la película. “Somos hijos, hermanos y nietos de la gente que vivió aquello, y yo no estoy dispuesto a ser colaborador de la amnesia del país. La utopía sólo será algo absolutamente irrealizable si dejamos de pensar en ella”.

Según Aranda, Libertarias quiso precisar “que si los hombres lucharon en la guerra por la instauración de la justicia en el mundo, las mujeres quisieron que esa justicia alcanzase al reconocimiento de sus reivindicaciones”, y para ello se propuso contar la historia de “unas mujeres que prefirieron morir de pie, como los hombres, a vivir de rodillas como criadas”.

En el extenso estudio dedicado a esta película en La guerra civil española: cine y propaganda, Magí Crusells subrayó como significativo el discurso del personaje Pilar (Ana Belén), integrante de Mujeres Libres, cuando dice: “Somos anarquistas, somos libertarias, pero también somos mujeres y queremos hacer nuestra revolución. Queremos pegar tiros para poder exigir nuestra parte a la hora del reparto”. En este sentido, según Aranda, “el fusil representaba el poder para las mujeres porque significaba poder implantar sus ideas; por eso lucharon contra los nacionales y los republicanos, perdiendo contra ambos por defender los ideales anarquistas y los de las mujeres. El líder anarcosindicalista Buenaventura Durruti aparece en el filme ordenando la retirada de las mujeres de los frentes; en ese momento surgió la contradicción del movimiento anarquista, que quería la libertad absoluta del individuo. Esta película es una crónica de cómo toda revolución acaba devorando a sus hijos; en el caso de Libertarias, a sus hijas”.

De ahí que Javier Rioyo comentara en Cinemanía que “Libertarias no es una película imparcial; es a favor de los que creyeron en la libertad, de los que pensaron que la utopía y la revolución eran posibles, una película a favor de los perdedores”, lo que Rosa Regàs matizó en este periódico haciendo un elogio de las “mujeres libertarias que tuvieron por unos meses conciencia de ese mundo. Mujeres libertarias condenadas a la incomprensión y a luchar en dos frentes a la vez. Mujeres libertarias que accedieron con su coraje a la dignidad y la complicidad, denigradas y engañadas por los suyos, ultrajadas, violadas, degolladas por los otros. Y es que la guerra, ni por las grandes causas, es cosa de mujeres, dicen los hombres”.

Fue polémica esta obra de Aranda, especialmente comparada con Tierra y libertad, de Ken Loach, estrenada en las mismas fechas, “en la que sí se representa con concisión y nitidez la dinámica revolucionaria bolchevique; por ejemplo, en la escena de la asamblea de campesinos”, según el crítico de El País, frente a la opinión de Molina Foix en Fotogramas, a quien la película de Loach le pareció “sobrevalorada”: “Libertarias, al contrario que Tierra y libertad, evita la santificación melosa de sus protagonistas y la caricatura de los antagonistas. Otra de las virtudes de la película es la sabia alternancia entre lo épico y lo privado; las escenas de combate resultan muy convincentes, pero los contrapuntos amorosos y patéticos tienen el sonido de la verdad”.

Libertárias/Libertarias

De Vicente Aranda, Espanha-Itália-Bélgica, 1996

Com Ana Belén, Ariadna Gil, Victoria Abril, Blanca Apinález, Loles León, Miguel Bosé

Roteiro Vicente Aranda e Antonio Rabinad

Baseado em história de Vicente Aranda e José Luis Guarner

Música José Nieto

Produção Sogetel, Canal + España, Academy Pictures

Cor, 125 min

***

2 Comentários

  1. Ivan
    Postado em 5 junho 2013 às 10:37 am | Permalink

    Assisti na noite de ontém , online.

    Gostei bastante da Floren . Era uma mulher muito espirituosa, largada, despachada.
    A Maria foi “abençoada” duas vezes.
    Principalmente na segunda, já no final.
    O desfecho só podia mesmo ser aquele.

    ” Existem várias maneiras de matar ”
    ” Um dia, no tempo do Senhor este planeta não será mais chamado de Terra, mas sim, de liberdade.
    Nesse dia os exploradores do povo serão presos na escuridão onde haverá lamentação e ranger de dentes. E os Anjos cantarão em gozo enquanto carregam a estrela mais azul e mais radiante porque a paz e a justiça reinarão aqui , porque o paraiso estará sempre ali e a morte não mais existirá “.

    Um abraço e, um bom dia, Sergio.

  2. KEvlin Azevedo
    Postado em 20 maio 2014 às 10:31 am | Permalink

    Onde consigo baixar? “/

2 Trackbacks

  1. Por 50 Anos de Filmes » Eva – Um Novo Começo / Eva em 9 agosto 2013 às 11:34 pm

    […] é claro, mas também Alejandro Amenábar, Fernando León de Aranoa, Ventura Pons, Icíar Bollaín, Vicente Aranda, Eduard Cortés, Agustí Villaronga, Alex de la Iglesia, Oskar Santos, Daniel Sánchez […]

  2. Por 50 Anos de Filmes » Ata-me! / Átame! em 12 julho 2015 às 5:42 pm

    […] de garotão aos 29 anos de idade, fazendo papel de garotinho de 23) invade o apartamento de Marina (Victoria Abril, gloriosamente bela aos 30 aninhos). Ela tenta gritar, ele dá uma porrada nela. Algum tempo […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*