Horas de Desespero / Desperate Hours


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 2008: Esta, é claro, é a refilmagem da obra de William Wyler de 1955, que teve o mesmo título original, com o acréscimo do artigo, The Desperate Hours, e o mesmo título no Brasil. É a história de um grupo de ladrões em fuga que invade a casa de uma família, e durante horas desesperadas inferniza a vida do pai, da mãe, dos filhos.

O filme original tinha Humphrey Bogart como um dos bandidos (na refilmagem, o bandido chefe é Mickey Rourke) e Fredric March como o dono da casa (aqui, é o papel de Anthony Hopkins, fazendo o que ele mais faz, interpretar Anthony Hopkins).

Como sempre acontece nas refilmagens, o que era subentendido vira explícito, e a violência é cada vez maior, mais brutal. Tem uma boa cena, bem exemplar, emblemática, típica do cinema americano dos anos 90, e que jamais poderia ter estado no filme de Wyler: a cena do começo em que a advogada (Kelly Lynch) do bandido abre as pernas para ele pegar o revólver amarrado no alto das coxas dela.

Na versão original, o roteiro é do próprio Joseph Hayes, autor da novela e da peça de teatro. Na refilmagem, dois outros sujeitos, Lawrence Konner e Mark Rosenthal, mexeram no texto. E acrescentaram as drogas que os filmes hollywoodianos dos anos 80 para cá consideram indispensáveis, as perseguições de carros (aqui tem até helicóptero), as correrias.

Não é sempre que concordo com as opiniões de Leonard Maltin, mas aqui estamos iguaizinhos. Ele diz que é uma “refilmagem ridícula do filme de 1955, que é melhor que sempre”. É isso aí: uma refilmagem desnecessária, que só torna o original melhor.

Vejo na internet que o filme foi lançado em DVD com o título de A Noite do Desespero. Fica o registro.

Horas de Desespero/Desperate Hours

De Michael Cimino, EUA, 1990.

Com Mickey Rourke, Anthony Hopkins, Mimi Rogers, Kelly Lynch, David Morse

Roteiro Lawrence Konner, Mark Rosenthal e Joseph Haynes

Baseado na peça de Joseph Hayes

Cor, 105 min.

*

2 Comentários para “Horas de Desespero / Desperate Hours”

  1. Caro Victor, agradeço imensamente por me chamar a atenção para o erro crasso que cometi, colocando o título errado. Graças a seu alerta, já fiz a devida correção.
    Um abraço.
    Sérgio

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *