Satã Janta Conosco / The Man Who Came to Dinner


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 2007, com complemento em 2008: É o tal negócio: o cinema era muito melhor antes dos anos 70, 80 – mas nem todo filme recente é ruim, e nem todo filme da fase de ouro é bom. Não achei graça nenhuma nessa comedinha feita em 1942 – e Bette Davis numa comédia já é uma coisa meio inusitada.

Uma informação importante: o título brasileiro do filme – Satã Janta Conosco – foi modificado no lançamento do DVD, para Satã Jantou lá em Casa. (Em Portugal, ele teve o título de Hóspede Indesejado.)

A história é uma grande bobagem: Sheridan Whiteside, um escritor e crítico famoso e pentelho, todo cheio de si, com uma empáfia de dar nojo (Monty Woolley), vai dar uma conferência numa cidade pequena em Ohio. Ao entrar na casa dos anfitriões, gente rica do lugar, toda orgulhosa por receber o ilustre visitante, leva um tombo, quebra a bacia e fica hospedado por vários dias ali, infernizando a vida da família. Mas infernizando mesmo, levando os pobres coitados à mais absoluta loucura.

Bette Davis faz a secretária do sujeito. E o filme acaba sendo tão chato como seu personagem principal, embora o roteiro seja dos irmãos gêmeos Julius J.Epstein e Philip G.Epstein, em geral afiados, mestres no diálogo inteligente, sarcástico, algo intelectualizado.

Vamos aos alfarrábios, para checar outras opiniões.

O iMDB traz uma informação interessante. Diz que Bette Davis viu a peça na Broadway, com John Barrymore no papel de Sheridan Whiteside, e quis porque quis fazer no cinema o papel de Maggie, a secretária do cara. Por duas razões: primeiro, porque era um papel completamente diferente dos que ela costumava fazer; e segundo, porque queria trabalhar ao lado de John Barrymore, uma lenda do cinema. Mas o veterano ator estava com a saúde muito debilitada, e a Warner não quis contratá-lo, pondo no lugar esse Monty Woolley, que também interpretou o papel nos palcos e tinha dado aula de teatro na Universidade de Yale.

Leonard Maltin gostou muito; deu 3.5 estrelas em quatro e disse que o filme é uma deliciosa adaptação da peça.

Pauline Kael gostou de algumas coisas, e conta como surgiu a peça teatral: seus autores, Moss Hart e George S. Kaufman, criaram o personagem de Sheridan Whiteside inspirados num sujeito chamado Alexander Woolcott, que tinha um programa de rádio e era adorado por milhões de ouvintes – e detestado por outros.

Segundo ela, o ator Monty Woolley, “arrasadoramente habilidoso”, “interpreta o arrogante e infantil Sheridan Whiteside”. “Encalhado na casa até ficar bom, se apossa da mesma e passa a dar ordens aos donos. Wooley tem um jeito maravilhoso de olhar os fãs provincianos com um desprezo compadecido – sente pena deles, por serem demasiado obtusos para ver o quanto ele é brilhante.” Mais adiante, no entanto, ela diz que o roteiro mudou as piadas da peça, e “nesta versão as piadas são sem graça e os números parecem forçados e sem muita graça”.

Ah, bom. Então não fui só eu.

Satã Janta Conosco/The Man Who Came to Dinner

De William Keighley, EUA, 1942.

Com Monty Woolley, Bette Davis, Ann Sheridan, Jimmy Durante

Roteiro Julius J.Epstein e Philip G.Epstein

Baseado em peça de Moss Hart e George S. Kaufman

Música Friedrich Hollander

Produção Warner Bros.

P&B, 112 min

*

3 Comentários

  1. Roberto
    Postado em 4 janeiro 2009 às 1:50 pm | Permalink

    Eu acheio o filme delicioso, até acredito que a peça pode ser realmente mais inteligente e engraçada, mas me diverti a valer.

  2. Roberto
    Postado em 4 janeiro 2009 às 1:52 pm | Permalink

    Corrigindo meu português : “que a peça possa”. Obrigado

  3. Miguel
    Postado em 27 abril 2016 às 11:30 am | Permalink

    Gostei muito do filme. Estou admirado por não ter gostado, mas opiniões são opiniões. Ann Sheridan é maravilhosa

2 Trackbacks

  1. Por 50 Anos de Filmes » Quando nasceram as estrelas em 1 junho 2011 às 10:48 pm

    […] Mulher Marcada/Marked Woman (1937); As Irmãs/The Sisters (1938); A Carta/The Letter (1940); Satã Janta Conosco/The Man Who Came to Dinner (1942); A Rainha Tirana/The Virgin Queen (1955); Nas Garras do Ódio/The Nanny (1965);  O […]

  2. […] o IMDb, a primeira opção de Capra para interpretar Ann Mitchell era Ann Sheridan. A Warner, que faria a distribuição do filme, vetou a atriz. Ainda segundo o IMDb, o papel chegou […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*