Paris, Te Amo / Paris, Je t’Aime


Nota: ★½☆☆

Anotação em 2007, com complemento em 2008: Com 20 pequeníssimos episódios, esta louvação a Paris (que às vezes mais parece um hino de ódio e desprezo pela cidade) é necessariamente irregular. Alguns episódios são simplesmente incompreensíveis e/ou cretinos.

O melhor de todos é dessa catalã talentosíssima, Isabel Coixet, sobre um casal de meia idade que se separa pouco antes de se descobrir que a mulher está com câncer.

O do Walter Salles, sobre uma imigrante latino-americana (Catalina Sandino Moreno, a colombiana do filme sobre tráfico de drogas Maria Cheia de Graça, na foto) que deixa seu filhinho na creche para cuidar do filho de uma burguesa, é bom. O de Gérard Depardieu, com a deusa Gena Rowlands e baseado em um argumento dela, sobre a reencontro de um casal idoso para tratar do divórcio, também é bom.

O episódio dos irmãos Coen, sobre um americano (Steve Buscemi) perdido numa estação de metrô, é uma brincadeira boba.

De qualquer forma, como são duas dezenas de diretores, alguns entre os mais importantes e os mais badalados em atividade, e o elenco reúne uma constelação de atores bons de diversas nacionalidades, é um filme para se ver de novo.

O iMDB informa que a intenção original do filme era que cada esquete representasse um dos 20 arrondissements de Paris, mas a idéia acabou sendo abandonada. Uma pena. O site-enciclopédia lembra também que a canção que Miranda Richardson cantarola, num dos segmentos, é Le Tourbillon, cantada por Jeanne Moreau em Uma Mulher para Dois/Jules et Jim, de Truffaut, de 1962 – o filme que ilustra o alto deste site, e sobre o qual ainda não escrevi aqui. (Anteriormente, por erro bobo, falta de atenção, eu havia escrito Miranda Jackson, em vez de Miranda Richardson. Um leitor atento mandou mensagem chamando a atenção para o erro.)

 

Paris, Te amo/Paris, Je t’Aime

De Isabel Coixet, Walter Salles, Joel & Ethan Coen, Gérard Dépardieu e mais uma dezena de diretores, França-Liechtenstein-Suíça, 2006

Com Gérard Dépardieu, Fanny Ardant, Ben Gazarra, Gena Rowlands, Marianne Faithfull, Catalina Sandino Moreno, Steve Buscemi, Juliette Binoche, Miranda Richardson

Produção Victoires International. Estreou em São Paulo 6/7/2007.

Cor, 126 min.

*1/2

Um Comentário

  1. Cst
    Postado em 16 outubro 2009 às 5:55 pm | Permalink

    Só uma pequena correção: O nome da atriz que canta a música “Le Tourbillon” é Miranda Richardson, e não Miranda Jackson.

    O filme tem muita bobagem, sim. Os episódios que mais gostei foram os com a Gena Rowlands, a Miranda Richarson e o último, dirigido pelo Alexander Payne.

3 Trackbacks

  1. […] Anotação em 2011: Nas outras coisas, as opiniões podem variar muito. No quesito filme declaração de amor da nascente franquia Megalópe, Te Amo, Nova York, embora lhe faltem alguns mil anos de civilização em comparação com a concorrente, dá de dez a zero em Paris. New York, I Love You é uma beleza de filme. Muitíssimo melhor do que Paris, Je t’Aime. […]

  2. […] também um jeitão dos filmes Eu Amo a Minha Cidade – Paris, Je t’Aime, New York, I Love […]

  3. […] filme de diversos diretores Paris, Te Amo, de 2006, o melhor episódio, na minha opinião, é o de Isabel Coixet, sobre um casal de meia […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*