O Inventor de Ilusões / King of the Hill


Nota: ★★★☆

Anotação em 2007, com complemento em 2008: Um filme sensível, muito bem feito – e, pelo que eu sei, um dos menos badalados de Steven Soderbergh. Não é sempre que o cinema americano aborda o preconceito social, o classismo, com tanta franqueza.

É um relato sobre a vida duríssima de uma família durante a Grande Depressão, na cidade de St. Louis, vista pelos olhos do filho mais velho, um garoto de uns 12, 13 anos, que depois viria a ser um escritor. O filme, de fato, se baseia no livro de memórias do escritor A.E.Hotchner, lançado em 1972; esse sujeiro escreveu uma biografia de Ernest Hemingway e uma de Doris Day.

É um desses filmes que conseguem envolver o espectador na trama. Me peguei sofrendo junto com o garoto.

Soderbergh já mostrava muito talento, logo depois do sucesso de sexo, mentiras e videotape, de 1989, e do fracasso de Kafka, de 1991. Karen Allen faz a professora do garoto, impressionada com a imaginação e o talento dele (ou, segundo a visão dos meninos ricos, dando importância a ele só pelo fato de ele ser pobre). A maravilhosa Elizabeth McGovern, de Era Uma Vez na América, tem um pequeno papel como uma prostituta. 

Vejo agora que Leonard Maltin gostou muito do filme, e notou aquilo que eu já havia anotado, a coisa de o filme envolver o espectador: “Um garoto de 12 anos de St. Louis, cuja mãe está doente e o pai fica ausente, é forçado a se defender sozinho nas profundezas da Grande Depressão, usando sua esperteza para sobreviver enfrentando extraordinárias dificuldades. Uma das mais vívidas descrições da Depressão jamais apresentadas pelo cinema; cheio de detalhes ricos, muitas vezes angustiantes, que nos leva a experimentar tudo pelo que está passando o jovem Aaron. (…) Excepcional em tudo.”

Roger Ebert deu quatro estrelas, a maior cotação: “Esse material poderia dar origem a diferentes tipos de filmes. King of the Hill poderia ter sido um filme para a família, ou um docudrama emocionante para a TV, ou uma comédia. Soderbergh deve ter ido mais fundo na memória de Hotchner, no entanto, porque seu filme não é simplesmente sobre o que acontece ao garoto. É sobre como o garoto aprende e cresce através de suas experiências. É sobre o crescimento, não apenas sobre ter aventuras interessantes. E, apesar da ausência da família de Aaron na maior parte do filme, é sobre a ajuda que uma família pode dar – até mesmo, se se acredita nela, quando ela não está lá”.

O Inventor de Ilusões/King of the Hill

De Steven Soderbergh, EUA, 1993.

Com Jesse Bradford, Lisa Eichhorn, Karen Allen, Elizabeth McGovern

Roteiro Steven Soderbergh

Baseado em livro de A.E. Hotchner

Cor, 109 min.

Um comentário para “O Inventor de Ilusões / King of the Hill”

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *