O Diabo Veste Prada / The Devil Wears Prada


Nota: ★★☆☆

Anotação em 2007, com complemento em 2008: Mais um filme sobre a imprensa de moda – como o delicioso Teu Nome é Mulher/Designing Woman, de Vincente Minnelli, de 1957, e Cinderela em Paris/Funny Face, de Stanley Donen, do mesmo ano, tempos em que o cinema era muito melhor.

Se o espectador deixar a lógica de lado durante cem minutos, para não pensar o óbvio – por que raios essa garota inteligente, esperta, ágil, talentosa, trabalhadora, que quer ser jornalista, se sujeita a esse inferno de ser secretária da megera durante tanto tempo? -, dá para ter alguma diversãozinha.

 O elenco ajuda muito. Meryl Streep está sempre perfeita em tudo que faz, e compõe com graça e brilho Miranda Priestley, a megera, a diretora de redação da respeitadíssima revista de moda Runway, cruel, implacável, exigentíssima, quase sádica, uma rainha absolutista que faria morrer de inveja o Murilinho Felisberto, o lendário diretor do Jornal da Tarde cujo apelido era exatamente Rainha e, num período de corte de pessoal, eu vi assobiar diante das listas de nomes e dizer: “Cortando cabeças ao som de Vivaldi”.

aprada A seqüência em que Miranda Priestley aparece pela primeira vez na redação, e todo mundo, do contínuo às editoras, quase morrem literalmente de medo, é engraçadíssima.  

 A garotinha Anne Hathaway também está bem como Andy, a jovem jornalista recém-formada que vai trabalhar como secretária de Miranda e come o pão que a rainha-diaba amassa diariamente. É fascinante como a personagem dela – interessada em outras coisas na vida, no jornalismo dito sério – não consegue entender aquele mundo da imprensa feminina, de moda, e como e por que as pessoas ali se julgam tão importantes. E é gostosa também a transformação pela qual passa seu figurino, da jovem estudante largada, que não dá a menor importância para a aparência, para a secretária elegantérrima de roupas de grife. Essa garota tem talento, e está tendo bons papéis; logo depois deste filme aqui, interpretou a escritora inglesa Jane Austen em Becoming Jane, que eu ainda não vi.

E ainda há Stanley Tucci, excelente como Nigel, o segundo da hierarquia da redação, ambicioso, maquinador, mas que tem seu lado boa gente e é o único a ajudar a secretária Andy a sobreviver naquela gaiola das loucas.

Não consigo deixar de pensar que é uma crueldade absurda Regina Lemos, aquela anti-Miranda Priestley, que dirigiu as redações de Moda Brasil e Marie Claire com competência, elegância, humanidade e um clima de absoluta democracia, não estar viva para ver este filme. Ela certamente se divertiria muito com ele, como se divertiu vendo e revendo Teu Nome é Mulher.

O Diabo Veste Prada/The Devil Wears Prada

De David Frankel, EUA, 2006.

Com Anne Hathaway, Meryl Streep, Emily Blunt, Stanley Tucci

Roteiro Aline Brosh McKenna

Baseado na novela de Lauren Weisberger

Produção Fox 2000 Pictures

Cor, 109 min.

2 Comentários