Medo e Obsessão / Land of Plenty


Nota: ★★★★

Anotação em 2007, com complemento em 2008: O melhor Wim Wenders em muitos anos, na minha opinião. Um filme sério, pesado e denso sobre os Estados Unidos pós o 11 de setembro, tomado pela paranóia, e a miséria do quinto mundo avançando nas grandes cidades, um império no auge de seu poderio econômico e militar e cheio de feridas.

O título brasileiro faz sentido: os Estados Unidos viviam um clima de medo e obsessão. Mas o título de Wenders é muito mais significativo. Land of Plenty, a terra da prosperidade, da opulência, da abundância – uma ironia forte como o filme. (Em Portugal, o filme teve o título literal de Terra da Abundância.)

alandA menina Michelle Williams está extraordinária. Eu nunca tinha ouvido falar dela, mas depois a veria em vários outros filmes: O Mundo de Leland/The United States of Leland, de 2003, Heróis Imaginários/Imaginary Heroes, de 2004, e O Segredo de Brokeback Mountain, de 2005. Nascida em 1980, estava portanto com 24 anos quando fez este filme com Wim Wenders; foi indicada ao Oscar de atriz coadjuvante por Brokeback Mountain, já ganhou três prêmios e teve outras 18 indicações.

Ela faz o papel de Lana, uma jovem criada no Oriente Médio, que vai para Los Angeles depois dos atentados terroristas do 11 de setembro à procura do único parente, um tio, chamado Paul. Este é um louco de pedra, paranóico, convencido de que todas as pessoas de alguma forma ligadas aos árabes são perigososos terroristas. Ela se engaja em serviços humanitários, de ajuda aos sem-teto e miseráveis da cidade. É fascinante o encontro dessas duas pessoas antípodas. 

Encontro agora no blog de um português apaixonado por cinema, Januário Vieira da Cunha, uma beleza de comentário, que transcrevo:

“Wenders constrói um retrato de uma América pós 11 de Setembro, com a paranoia do terrorismo e o patriotismo exarcebado, demasiadamente preocupada com o inimigo externo para poder olhar para a miséria no interior. Filmado com um lirismo notável – os planos aproximam-nos dos personagens, vislumbramos-lhes as rugas, os sorrisos e as lágrimas – Terra da Abundância é feito de pequenas metáforas. Veja-se a cena em que Paul se depara com a velhota – inválida, deitada na sua cama, a ver televisão – que se queixa da avaria do controlo remoto que, há dois meses, a prende ao mesmo canal. Na TV, vemos Bush a discursar.”

Medo e Obsessão/Land of Plenty

De Wim Wenders, EUA-Alemanha, 2004.

Com Michelle Williams, John Diehl, Shaun Taub, Burt Young

Roteiro Scott Derrickson, Michael Meredith e Wim Wenders

Cor, 123 min.

****

Título em Portugal: Terra da Abundância

9 Trackbacks

  1. […] faz o protagonista; em torno dele gravitam os personagens interpretados por Samantha Morton, Michelle Williams, Catherine Keener (que trabalhou em Being John Malkovich), Emily Watson, Dianne Wiest, Jennifer […]

  2. Por 50 Anos de Filmes » Strip Search em 27 fevereiro 2010 às 12:45 am

    […] – mas este é um dos melhores, ao lado do feito por Wim Wenders, no mesmo ano de 2004, Medo e Obsessão/Land of Plenty, e Babel, que o mexicano Alejandro González Iñárritu faria em […]

  3. […] gerações e encantou críticos do mundo todo, em especial os franceses dos Cahiers du Cinéma. Wim Wenders fez um belo filme em homenagem a ele, Nick’s Film, de […]

  4. […] Grit, de 1969, o filme de Henry Hathaway que deu o único Oscar a John Wayne. O alemão Wim Wenders o dirigiu no papel de Tom Ripley, o personagem criado por Patricia Highsmith, em O Amigo Alemão, […]

  5. […] Grit, de 1969, o filme de Henry Hathaway que deu o único Oscar a John Wayne. O alemão Wim Wenders o dirigiu no papel de Tom Ripley, o personagem criado por Patricia Highsmith, em O Amigo Alemão, […]

  6. […] mostra Un Certain Regard do Festival de Cannes. Diz a capa do DVD que tem produção executiva de Wim Wenders e Martin Scorsese – uma maneira de grandes nomes darem aval a uma obra com a produção da qual […]

  7. […] de filmes sobre o fim do mundo. Me lembrei bastante de Até o Fim do Mundo, o fascinante filme de Wim Wenders que também fala de uma pane mundial criada a partir do desligamento de toda a energia criada pelo […]

  8. Por 50 Anos de Filmes » Ilha do Medo / Shutter Island em 25 novembro 2012 às 3:28 pm

    […] que presenciou na Segunda Guerra Mundial, encerrada nove antes, e da perda de sua mulher, Dolores (Michelle Williams), morta num incêndio em sua própria […]

  9. […] bem: a câmara de Wim Wenders em Asas do Desejo faz alguns dos mais belos movimentos que já houve em cento e tantos anos desta […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*