Mais Estranho que a Ficção / Stranger than Fiction


Nota: ★★★½

Anotação em 2007, com complemento em 2008: Eis aí um filme inteligente, com um roteiro extremamente criativo, onde tudo funciona bem.

O brilho do roteiro faz lembrar as invenções de Charlie Kaufman, tido – com razão – como o geninho do momento no cinema americano, depois de Quero Ser John Malkovich/Being John Malkovich, de 1999, Adaptação/Adaptation e Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças/Eternal Sunshine of the Spotless Mind, de 2003.

A inteligência do roteiro vem acompanhada por um elenco de bambas de várias gerações, em interpretações afiadíssimas. Os bons atores – Dustin Hoffman, Emma Thompson, Queen Latifah, Maggie Gyllenhaal – passam a nítida sensação de que de fato se divertiram à beça ao fazer o filme.

Will Farrell, que tem feito muito sucesso mas me parece meio irregular, está ótimo como Harold, um contador da IRS, a Receita Federal americana, todo absolutamente certinho, controlado, caretíssimo, que faz tudo sempre igual. De repente, Harold vê sua rotina perfeita virada de pernas pro ar quando passa a ouvir uma voz que está narrando a sua vida – para depois perceber que é ele um personagem do livro de ficção que está sendo escrito, a duras penas, por uma autora em momento difícil de bloqueio criativo (Emma Thompson, sempre maravilhosa).

Preocupados com a autora, seus editores colocam para cuidar dela uma secretária durona, exigente – um papel perfeito para Queen Latifah, essa bela atriz que é sempre um prazer de se ver.

Para piorar ainda mais o remelexo na vida do nosso megacaretão Harold, ele se engraça por Ana, dona de uma lanchonete que está em falta com o Fisco (o papel da competente Maggie Gyllenhaal). Desesperado, ele procura a ajuda de um professor de literatura, na esperança de que ele o ajude a compreender o que está acontecendo. O professor é interpretado por um Dustin Hoffman divertidíssimo.

Há um monte de sacadinhas criativas na estrutura narrativa. Por exemplo: surgem na tela, em diversos momentos, números, fórmulas, equações, para demonstrar as ações de Harold – tantas escovadas no dente para a direita, tantas para a esquerda, tantos passos da porta de casa até o ônibus.

Ele tenta conversar com a voz que está descrevendo sua vida, mas nem sempre consegue contato com a escritora, que, nos piores momentos de bloqueio, pensa em se matar, e depois se decide a matar Harold…

Uma delícia total.

Mais Estranho Que a Ficção/Stranger Than Fiction

De Marc Forster, EUA, 2006.

Com Will Farrell, Dustin Hoffman, Emma Thompson, Queen Latifah, Maggie Gyllenhaal

Roteiro Zach Helm

Produção Columbia

Cor, 113 min.

***1/2

Título em Portugal: Contando Ninguém Acredita

3 Comentários

  1. José Luís
    Postado em 24 outubro 2012 às 11:53 am | Permalink

    Eu vi este filme e até comprei o DVD e só agora mesmo é que estou a ler este comentário.
    Eu comprei-o com base numas crónicas que li e como o DVD estava muito barato comprei e não me arrependi.
    É muito interessante, divertido e surpreendente.

  2. Postado em 29 abril 2013 às 11:36 pm | Permalink

    Conheci o site por acaso, como gosto muito de cinema favoritei !
    Gostaria de fazer somente uma correção: no trecho do seu comentário “a escritora, que, nos piores momentos de bloqueio, pensa em se matar, e depois se decide a matar Harold…”
    não é bem assim , pois a escritora é famosa por matar o personagem principal no final de seus livros…estando em bloqueio…ela experimenta várias opções de morte ( visitando hospital para ver a morte de perto p.e.) e assim criar a morte ideal !
    não há inteção de suicidio e sim pesquisa.

    abs.Elizabeth

  3. Ivan
    Postado em 23 junho 2013 às 2:03 pm | Permalink

    Tive uma grata surpresa ao ver este filme.
    Explico: Assisti via online e no site , não dizia os nomes dos atores, apenas mostrava o rosto do Will Ferrell.
    E então eu me deparei com a maravilhosa Emma Thompson, com o fabuloso Dustin Hoffman, com a sempre ótima e linda Maggie Gyllenhaal e com a competente Queen Latifah.
    Com essa “turma”, o resultado só podería ser este ótimo filme. Lindo demais.
    O Will Ferrell faz muitas comédias e , eu não sou muito fã delas , gosto mais das comédias românticas e/ou com drama.
    Este é o segundo filme que vejo com ele. E, se encaixa no que acabei de dizer ; tem comédia, drama, romance e muita reflexão.
    O outro que vi com ele foi ” Pronto para Recomeçar “. Um ótimo filme também
    Repararam no banheiro onde o Harold e o professor conversam ? Que luxo !!!!!
    Cookies de aveia , barras de manteiga de amendoim, doce chocolate amargo com nozes de macadamia, croissant de queijo ricota com damasco,mousse com calda de caramelo, Virgem Maria, um pôço sem fim de calorias.
    A cena do violão entre a Ana e o Harold foi muito bonita. Só não gostei da tatuagem no braço dela.
    Ótimo roteiro , diálogos envolventes . Uma história bonita, gostosa.
    A mensagem que o filme deixa : ” viva a sua vida intensamente como se não houvesse o amanhã, não se preocupe com o fim.
    E além de tudo , o que eu achei mais importante é o texto lindíssimo no final.
    Não vou dizê-lo aqui pois é um pouco longo e eu tbm já estou muito longo.

    Apenas mais uma coisa que não posso deixar passar. 67×453 é = 30351,como o Harold disse e, está certo.
    Depois a voz diz que é 31305 . Houve algum outro sentido nesta cena que eu , de maneira infantil, não entendi ?
    Ótimo filme , muito lindo.
    Um abraço !!

8 Trackbacks

  1. […] claro, eu me lembrava que os dois haviam trabalhado juntos em Mais Estranho que a Ficção, de 2006. E lembrava que eles praticamente não contracenam – se é que há alguma cena em que os […]

  2. […] coincidência interessante é que a jovem e talentosa Maggie Gyllenhaal está neste filme aqui e também no de Lumet, Strip Search. Neste filme de Oliver Stone ela faz a […]

  3. […] tem créditos iniciais. Aparece apenas o título, no início, e só no final virão os créditos. Queen Latifah, essa atriz muito boa, que começou a carreira artística como cantora, tem um belíssimo rosto e […]

  4. Por 50 Anos de Filmes » Coração Louco / Crazy Heart em 19 agosto 2010 às 2:31 pm

    […] bonita – não uma modelo ou atriz de cinema de fechar o comércio, mas uma mulher de verdade. Maggie Gyllenhaal, talento imenso como seus olhos claros, foi uma escolha acertadíssima para fazer de Jean Craddock, […]

  5. […] japoneses, alemães, italianos, o que for, falando em inglês. O diretor Marc Forster – de Mais Estranho que a Ficção/Stranger than Fiction, de 2006, e Em Busca da Terra do Nunca/Finding Neverland, de 2004, dois bons filmes – […]

  6. […] protagonista da história é Nick Halsey (numa bela interpretação de Will Farrell, esse ator mais conhecido por seus trabalhos em comédias), um sujeito aí de uns 40 e tantos anos […]

  7. […] desenvolta, inteligentemente. Nasceu em 1975, e é o autor do roteiro (fantástico, excelente) de Mais Estranho que a Ficção/Stranger Than Fiction, de 2006, quando ele portanto tinha 31 anos de idade. No primeiro filme que dirige, este aqui, tem […]

  8. […] (2001), de Jean-Pierre Jeneut; Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças (2004), de Michel Gondry; Mais Estranho que a Ficção (2006), de Marc Forster; (500) Dias com Ela (2009), de Marc Webb; Medianeras (2011), de Gustavo […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*