City Hall – Conspiração no Alto Escalão / City Hall


Nota: ★★★★

Anotação em 2007, com complemento em 2008: Eis aí um grande filme, em tudo por tudo. É uma variação da clássica sacada da história que parte de crime aparentemente pequeno que esconde muita coisa por trás. Ao mesmo tempo, é uma interessante imersão no mundo da política partidária americana, uma discussão sobre a pequena distância que pode separar o idealismo da descrença na atividade política.

É um brilho o texto da narração – a história é contada por Kevin, o personagem de John Cusack, um jovem sulista idealista que caiu nas graças de um político importante do Partido Republicano, John Pappas (o personagem de Al Pacino) e acabou se tornando o vice-prefeito de Nova York quando Pappas é eleito prefeito.

O jovem Kevin tem uma admiração absoluta por Pappas, mas começa a ter dúvidas ao perceber que ele, uma vez no poder, embora mantenha inalterados seus princípios básicos de querer fazer o bem para a comunidade, tem que fazer concessões aos muitos agentes políticos e, assim, abre mãe de muitos de seus valores e de sua honestidade.

O AllMovie diz que o filme, apesar de ter tido uma reação entusiástica da crítica, foi um fracasso de bilheteria na época de seu lançamento, 1996, e faz uma observação interessante:  o de que, dado o sucesso, mais tarde, do seriado The West Wing – sobre um fictício presidente americano e seu dia-a-dia no poder -, talvez o filme estivesse de alguma maneira à frente de seu tempo.  

Todo o elenco, cheio de grandes nomes, está perfeito. Pacino, que depois faria um ou outro filme apenas representando Pacino, aqui está em um de seus grandes momentos. Bridget Fonda está linda, esplendorosa, e ótima. É aquela tal coisa: por que essa moça trabalha tão pouco, meu Deus? Desde 2001 ela não faz nenhum filme.

Essa Lindsay Duncan, que faz um papel bem pequeno, o da mulher do prefeito, é uma atriz escocesa que ganhou um Tony da Broadway em 2002 e, em 2005, trabalhou na série Roma, no papel de Servília, a vingativa e cruel amante de César, mãe de Brutus. 

Harold Becker fez outros dois bons filmes, pelo menos, que eu vi – Malícia e Vítimas de uma Paixão/Sea of Love, com Al Pacino e Ellen Barkin.

City Hall/City Hall – Conspiração no Alto Escalão

De Harold Becker, EUA, 1996.

Com Al Pacino, John Cusack, Bridget Fonda, Danny Aiello, Martin Landau, David Paymer, Anthony Franciosa, Lindsay Duncan

Roteiro Bo Goldman, Nicolas Pileggi e Paul Schrader

Música Jerry Goldsmith

Produção Castle Rock.

Cor, 111 min.

2 Trackbacks

  1. […] atrizes – fazem menos filmes do que deveriam. Saímos todos perdendo com isso. Lisa Bonet é como Bridget Fonda, Winona Ryder – deveriam, todas elas, ter tido mais […]

  2. […] tem dois desempenhos extraordinários, assombrosos, admiráveis, de duas grandes, soberbas atrizes: Bridget Fonda e Jennifer Jason […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*