O Elo Perdido / Man to Man


Nota: ★★½☆

Anotação em 2006, com complemento em 2008: O diretor francês Régis Wargnier gosta de histórias de personagens que mostrem por trás o desenrolar da grande História. Fez isso sobre a colonização francesa no Vietnã em Indochina, de 1992, e sobre a escalada totalitária na União Soviética sob a ditadura de Stálin, em Leste-Oeste, de 1999.

Neste filme aqui, o tema de fundo são os estudos de antropólogos que tentavam provar, por vias tortas, no final do século XIX, a teoria do evolucionismo. Quando o filme começa, com um jeito de aventura na África, acompanhamos um grupo de ingleses que caçam pigmeus como se fossem feras. Os pigmeus são levados para a Escócia, onde serão estudados por uma trinca de antropólogos e mais tarde colocados em um zoológico – exatamente como animais. Para aqueles cientistas de então, os pigmeus seriam o elo perdido entre os macacos e os homens.

Haverá, então, um racha entre os colegas antropólogos. Um deles, interpretado por Joseph Fiennes, o irmão bem menos talentoso de Ralph Fiennes, consegue enxergar que aqueles seres não são macacos, ou elo perdido, e sim gente como a gente, enquanto os outros dois prosseguem na crença de que os pigmeus são bichos.

Como em todos os filmes de Wargnier, tudo é extremanete bem feito – a resconstituição de época é um primor. E ele tem de novo na trilha sonora o inglês Patrick Doyle, um grande compositor, que já havia trabalhado com ele em Leste-Oeste.

O Elo Perdido/Man to Man

De Régis Wargnier, Inglaterra-França-África do Sul, 2005.

Com Joseph Fiennes, Kristin Scott Thomas, Iain Glenn

Roteiro William Boyd, Michel Fessler, Fred Fougea, Régis Wargnier

Música Patrick Doyle

Cor, 122 min.

Um Comentário