A Condessa Branca / The White Countess


Nota: ★★★☆

 

Anotação em 2006, com complemento em 2008: Não é dos melhores filmes de James Ivory, o-mais-inglês-dos-cineastas-americanos – mas mesmo assim é um bom filme. A direção de arte é esplendorosa, a reconstituição de Xangai nos anos 30 é uma maravilha, o visual é belíssimo.

Todo o tom do filme é outonal, de fim de era, fim de ciclo, fim de um tipo de vida. O clima é triste e desalentado, numa Xangai às vésperas da invasão japonesa, onde se mistura gente de todas as origens, ex-aristocratas, diplomatas, políticos, espiões.  

O filme tem a fascinante atração de reunir três mulheres do clã Redgrave, um dos mais nobres do cinema mundial. Natasha Richardson, a filha de Vanessa Redgrave e do diretor Tony Richardson, faz o papel de Sofia, a condessa branca do título – uma bela e triste mulher, expatriada da sua Rússia natal com toda a família para a China depois da revolução comunista de 1917. Viúva, ela se submete a trabalhos deprimentes, ultrajantes, como dançarina de cabaré e às vezes como prostituta, para alimentar a família aristocrática que perdeu tudo, até o respeito.

A mãe e a tia de Natasha Richardson fazem aqui papéis invertidos. Vanessa Redgrave faz o papel de uma tia de Sofia. E sua irmã Lynn Redgrave interpreta Olga, mãe da condessa.

A trama se concentra em Sofia e sobretudo em Todd Jackson, um americano tão expatriado como a condessa russa; Jackson havia chegado anos antes a Xangai como um diploma cheio de otimismo. Na época da ação, 1936, ele já havia perdido o emprego, todas as esperanças – e a visão. O grande Ralph Fiennes dá um show de interpretação nesse papel.

Eventualmente, a condessa russa prostituída e o ex-diplomata americano agora cético, cego e beberrão vão desenvolver uma relação forte, estranha, profunda,

A Condessa Branca foi o último filme do grande, extraordinário indiano Ismail Merchant (1936-2005), que teve uma brilhante parceria de décadas com James Ivory. Formado em administração pela Universidade de Nova York, Merchant foi o produtor de quase todos os filmes de James Ivory, a garantia de dinheiro em caixa para o amigo fazer seus belos filmes de reconstituição de época, de histórias de famílias aristocráticas em geral com imensa dificuldade de relacionamento e comunicação com todos os demais seres humanos. Para este filme aqui, Merchant amealhou capital em quatro países – Inglaterra, Estados Unidos, Alemanha e a China do regime comunista mais selvagemente capitalista da história. Dirigiu pouco – apenas sete filmes. Um deles, pelo menos – O Regresso/The Proprietor, de 1996 – é brilhante.

A Condessa Branca/The White Countess

De James Ivory, Inglaterra-EUA-Alemanha-China, 2005.

Com Ralph Fiennes, Natasha Richardson, Lynn Redgrave, Vanessa Redgrave

Roteiro Kazuo Ishiguro

Fotografia Christopher Doyle

Produção Ismail Merchant

Cor, 138 min.

5 Comentários