O Homem Que Copiava


Nota: ★★★☆

Anotação em 2003: Um filme extremamente bem feito, com narrativa inteligente, bela surpresa no final. Os atores estão muito bem, o que é uma proeza no cinema brasileiro dos últimos tempos. O povo ao Sul de São Paulo tem mostrado que sabe fazer cinema. E esse Jorge Furtado, especialmente, demonstra que é muito, mas muito bom de serviço – desde o documentário Ilha das Flores, de 1989. É um dos melhores diretores brasileiros em atuação, sem dúvida alguma.

O Homem Que Copiava

De Jorge Furtado, Brasil, 2003.

Com Lázaro Ramos, Leandra Leal, Pedro Cardoso, Luana Piovani

Argumento e roteiro Jorge Furtado

Cor, 123 min.

Um Comentário

  1. Jussara
    Postado em 27 junho 2009 às 10:16 pm | Permalink

    Não sei o que esse filme tem de tão extraordinário, que foi tão comentado e elogiado. O sotaque gaúcho-fake do Lázaro Ramos, por exemplo, é uma coisa irritante, dentre outras. Lembro que assisti com um amigo e uma amiga e qdo terminou, nós viramos um pro outro e: – É isso o filme? Pior que acho que a ideia de locá-lo foi minha, rs. Detestei tanto que não tenho coragem de assistir de novo pra ver se mudo de opinião.

2 Trackbacks

  1. Por 50 Anos de Filmes » Antes Que o Mundo Acabe em 4 setembro 2011 às 1:17 am

    […] assistente de direção de Furtado no famosérrimo (e excelente) curta Ilha das Flores (1989), em O Homem que Copiava (2003), e Meu Tio Matou um Cara […]

  2. Por 50 Anos de Filmes » Houve Uma Vez Dois Verões em 25 novembro 2012 às 3:59 pm

    […] Uma Vez Dois Verões é uma delícia de filme. Mais um gol de Jorge Furtado. Na verdade, ainda não vi Jorge Furtado errar. Todo filme dele que já vi é […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*