Perseguidor Implacável / Dirty Harry


Nota: ★★☆☆

Anotação em 2001, com complemento em 2008: Esse é outro filme famosão que eu nunca tinha visto na vida, e só vim ver quando ele já tinha 30 anos de idade. É extremamente bem feito, com extraordinária fotografia em San Francisco e arredores, boa música de Lalo Schifrin. E fascistão, fascistão, como os Duro de Morrer da vida.

É muito estranho ver como Clint Eastwood fez filmes truculentos, cheios de violência gratuita, tanto os western-spaghetti com Sergio Leone quanto os policiais com Don Siegel, antes de, a partir de Os Imperdoáveis, de 1992, passar a fazer exatamente o oposto, filmes cada vez mais humanistas. E o mais louco e fascinante é que ele dedicou Os Imperdoáveis exatamente aos dois diretores, Leone e Siegel.

 Os dois parágrafos acima foram o que eu anotei logo depois de ver o filme. Ao rever em 2008 o que anotei, para colocar no site, fui ver o que Pauline Kael dizia do filme – e constatei que ela usa exatamente o mesmo qualitificativo que eu usei:  

“Esta fantasia de direita sobre a força policial de San Francisco como um grupo desprotegido (emasculado por liberais irrealistas) faz propaganda do poder policial paralelo e dos justiceiros”.

 Pauline Kael, “a mais incisiva crítica de cinema do mundo, como diz a capa da edição inglesa do seu livro 5001 Nights at the Movies, era mesmo brilhante. Ela admite: “Como artesanato de suspense, o filme é enxuto, brutal e emocionante; foi dirigido no estilo mais certinho pelo veterano diretor de ação urbana Don Siegel, e os truques eletrônicos da música pulsante, jazzística, de Lalo Schifrin empurram o filme para a frente”. Para então voltar a descer o pau: “É também um ataque obstinado aos valores liberais, com cada detalhe prejudicial no lugar certo. (…) O gênero de ação sempre teve um potencial fascista, e este vem à tona neste filme”.

Perseguidor Implacável/Dirty Harry

De Don Siegel, EUA, 1971.

Com Clint Eastwood, Harry Guardino, Reni Santoni

Música Lalo Schifrin

Produção Malpaso, Warner.

Cor, 102 min.

4 Comentários