O Homem do Braço de Ouro / The Man With the Golden Arm


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 2001: Eis aí mais um clássico muito falado e admirado que se revelou, para mim, uma grande porcaria. Certo: tem importância histórica, por ter sido um dos primeiros filmes, senão o primeiro, a abordar de frente a dependência de drogas fortes (não se fala que droga é, mas deve ser heroína).

É muito, mas muito, mas muito ruim – e mais uma vez me ocorre como o Otto Preminger era irregular, capaz de fazer filmes brilhantes e outros que são merda pura. Os personagens, as situações, nada tem lógica, nada se sustenta de pé. Por exemplo: não há nada que explique ou justifique por que o personagem central, interpretado por Frank Sinatra, exerce tanta fascinação sobre as pessoas. A personagem da dançarina de boate, interpretada pela Kim Novak, é totalmente, absolutamente inverossímil.

Há situações que se repetem insistentemente – e desnecessariamente. Eleanor Parker arregala os olhos quando percebe que é flagrada de pé (o personagem dela se finge de paraplégico) pela primeira vez. E, na segunda vez, arregala os olhos do mesmo jeito estúpido, idiota.

Há simplificações cretinas, absurdas. Depois de uma noite enfrentando a cold turkey, a abstinência, o personagem de Sinatra ressurge perfeitamente curado, santificado, de bem com a vida, disposto a mudar tudo o que não mudou ao longo da vida e do filme inteiros.

A única coisa que presta no filme é a beleza esplendorosa, estonteante, de Kim Novak – mas mesmo ela incomoda, porque não tem nada a ver com a história, com a personagem, com o mundo em que vive; é falsa, dissonante, irreal.

Um horror.

Leonard Maltin diz que o filme foi ousado na época, agora parece datado, mas ainda é poderoso, e ressalta que a trilha sonora de Elmer Bernstein é memorável – e nisto, especificamente, ele tem toda razão.  

O Dicionário de Georges Sadoul diz que é o melhor filme de Preminger e a melhor interpretação de Sinatra, “de rosto angustiado e infeliz”; diz que a trama é um pouco melodramática, mas “tem menos importância que a atmosfera densa, a descrição dos locais de prazer americanos, os personagens e as relações entre eles”.

Então tá.

           O Homem do Braço de Ouro/The Man With the Golden Arm

De Otto Preminger, EUA, 1955.

Com Frank Sinatra, Kim Novak, Eleanor Parker

Roteiro Walter Newman e Lewis Meltzer

Baseado em novela de Nelson Algren

Música Elmer Bernstein

P&B, 119 min.

Um Comentário

  1. Miguel
    Postado em 4 dezembro 2014 às 8:55 pm | Permalink

    Um bom filme, frio, cru, pesado, fatal. Infelizmente, vi dublado em espanhol. As vozes estavam bastante bem mas eu queria ouvir as vozes reais para conseguir perceber melhor o desempenho de sinatra que, aparentemente, está bastante bem. Não tinha ideia de ele ser tão bom ator. Na verdade, apenas havia visto pal joey (um musical que gosto muito). Tenho de discordar do Sérgio. acho o filme bom e a personagem da Kim Novak relativamente interessante: ela é uma luz, um brilho naquele mundo decadente e perigoso. O desempenho dela pareceu-me bom mas teria de ver com as vozes originais para perceber melhor. A música é porreira. Gostei, Sinatra e Novak fazem um par sexy, principalmente em pal joey

5 Trackbacks

  1. […] O Homem do Braço de Ouro/The Man with the Golden Arm […]

  2. Por 50 Anos de Filmes » Laura em 25 outubro 2010 às 11:42 pm

    […] novos cinemas, tantos novos movimentos cinematográficos, tantos modismos passados, Laura, que Otto Preminger fez em 1944, continua uma beleza de […]

  3. […] nada menos que James Cagney (por Ama-me ou Esquece-me/Love me or Leave me), Frank Sinatra (por O Homem do Braço de Ouro) e James Dean (por Vidas Amargas/East of […]

  4. […] de Henry Hathaway), Pelos Bairros do Vício, O Sol é para Todos, Sete Homens e um Destino, O Homem do Braço de Ouro. (As trilhas de todos esses filmes citados acima foram indicadas ao Oscar.) No entanto, Redford […]

  5. […] bem: O Homem do Braço de Ouro, de Otto Preminger, com Frank Sinatra como um músico de jazz dependente de drogas, havia sido […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*