Gilda


Nota: ★☆☆☆

Anotação em 2000: Eta filminho ruim! Agora, tirando o fato de que o filme – uma grande lenda, um símbolo, um fetiche – é um horror, meu Deus do céu e também da terra, de fato nunca houve uma mulher como Gilda!

Rita Hayworth está realmente uma das coisas mais agressivamente, poderosamente belas que o cinema já mostrou.

Acho que eu nunca tinha visto Gilda; era um daqueles filmes clássicos sobre os quais a gente sabe quase tudo, de tanto ver fotos, cartazes, comentários, citações – nunca houve uma mulher como Gilda. Só faltava ver – e vi por causa de uma matéria que preciso escrever sobre fumo, cigarro. E aí, surpresa: que grande porcaria!

O próprio livro The Columbia Story traz os senões todos, o que até me dispensa de justificar o que pode até parecer herético. A história não é uma história, é um amontoado sem nexo de situações absurdas, improváveis, ridículas. Não se sabe o que são os personagens, nem por que agem como agem – por que se odeiam tanto nossa Gilda e nosso Johnny Farrell?

Um detalhe chamou minha atenção: a foto de Rita no vestido negro sensualíssimo (criado por Jean Louis, o Versacci da época), segurando o cigarro acesso com a mão direita (a que está aí acima), um dos maiores ícones do cinema americano, capa do site sobre o glamour do cigarro nos filmes, capa de uma edição brasileira do Dicionário de Filmes de Georges Sadoul, é na verdade uma foto posada para a publicidade do filme, um still – ou seja, a imagem não está de fato no filme. Assim como a foto usada no verbete do filme do Cinemania, com Rita vestida de cowboy sadomasô parada diante do carro de um Glenn Ford fumando – é outro dos chamados still, ou publicity shot, que não está no filme.

O livro da Columbia especifica que é a voz da própria Rita que ouvimos quando ela toca Put the blame on mame, acompanhando-se ao violão, no cassino vazio – uma cena, aliás, totalmente ridícula, se não fosse pela beleza da atriz. Já quando ela canta a mesma música na famosérrima cena do cassino cheio, usando o tal vestido negro de Jean Louis, fazendo o que é tido, com toda razão, como o striptease mais sensual do cinema (e olha que ela tira a luva direita, apenas), a voz que ouve é da cantora Anita Ellis.

Gilda

De Charles Vidor, EUA, 1946.

Com Glenn Ford, Rita Hayworth, George MacReady,

Roteiro Marion Parsonnet, Joe Eisinger e Ben Hecht (este ultimo não é creditado no filme)

Baseado em história de E.A. Ellington

Fotografia Rudolph Maté

Produção Columbia

P&B, 110 min.

4 Comentários

  1. valdir sanches
    Postado em 11 setembro 2008 às 4:28 pm | Permalink

    Sérgio Vaz:
    Vi Gilda, na televisão, e notei várias coincidências com Casablanca. O mocinho feito por Glenn Ford em Gilda é dono (ou vira dono) de um cassino fora dos Estados Unidos (na Argentina). No passado teve um caso com a mocinha de Rita Hayworth, que agora aparece casada, mas o marido dela só descobre tudo no final. Em Casablanca o personagem de Hunphrey Bogart é dono de cassino no Marrocos, teve um caso com a mocinha feita por Ingrid Bergman mas o marido também só sabe no final. Nos dois filmes, o que ficou para trás, e agora se reencontra, são grandes e arrebatadoras paixões. Em ambos há um chefe de polícia muito compreensivo com o mocinho e seu cassino, a ponto de esconder o assassinato das últimas cenas. Só que em Casablanca o mocinho fica, e sua amada vai embora; em Gilda, vão os dois.

  2. Dininha Torres Luize
    Postado em 17 outubro 2011 às 6:49 pm | Permalink

    Eu me senti de alma lavada ao ler o comentário sobre o filme “Gilda”.
    Minha mãe adorava este filme, mas quando o revimos juntas, há decênios atrás, eu fingi que gostei para não deixá-la triste. Passados os anos, comentando sobre o mesmo, ela me falou “eu lembrava que o filme parecia ser bem melhor quando eu o vi no cinema, logo que foi lançado”, repliquei “eu não gostei nem um pouco do filme, mas não quis te deixar chateada”, e então minha mãe me disse, de forma categórica “o filme é uma m… não sei como pude gostar tanto!”
    É um filme datado, o maior defeito que um filme pode ter, na minha opinião. E é um filme que virou cult, outro defeito, pois quem não gosta é visto como um ET.
    Mas que o filme é fraquinho, é.
    Fica uma curiosidade: a Rita estava grávida quando fez o filme e aquele famoso vestido preto foi feito com vários drapeados na cintura para disfarçar a proeminente barriguinha e, mesmo assim, ela era linda e sexy. Uma atriz sofrível, na minha opinião, mas muito carismática.

  3. chivas
    Postado em 21 novembro 2011 às 5:38 pm | Permalink

    agora eu te entendi de vez. Falar que Gilda é um filminho, dá a impressão que você não entende nada de filme ou quer se aparecer. Apesar do Blog maravilhoso que você fez. Fecha a boca,a amiguinho…

  4. Miguel
    Postado em 8 setembro 2014 às 3:29 pm | Permalink

    Bom ou não, este filme é uma lenda e funciona como lenda devido à presença magnética da Rita Hayworth. Eu tenho muita dificuldade em perceber se este filme é bom ou mau, porque, por um lado, não acontece grande coisa e a ação não tem muito sentido. Mas os diálogos inteligentes e o significado fálico da bengala fazem com que o filme tenha qualidade. Eu gosto de Gilda, daria 2 estrelas e meia. Mas eu percebo a tua opinião, Sérgio. O filme não tem grande lógica

2 Trackbacks

  1. […] elegantes, sensuais, Gilda e Rick acendiam um cigarro após o outro naqueles bares enfumaçados e cheios de glamour, ela em […]

  2. […] E o AllMovie faz uma revelação surpreendente: o fotógrafo James Wong Howe chegou a fazer testes de uma então jovem desconhecida para o papel de Luna, a filha do vampiro. A jovem, uma tal Margarita Carmen Cansino, não foi escolhida para o papel, mas pouco depois faria algum sucesso no cinema com o nome de Rita Hayworth. […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*