A Dama Fantasma / Phantom Lady


Nota: ★★☆☆

Anotação em 2000: Antes de mais nada, um detalhe interessante: Aurora Miranda, a irmã de Carmen, que trabalhou em vários filmes brasileiros, faz um papel pequeno mas importante como a cantora Estela Monteiro, estrela do espetáculo musical no Casino Theater, na Broadway, assistido, bem no início do filme, pelo engenheiro Scott Henderson (Alan Curtis), que será acusado de matar a mulher e cujo álibi é exatamente ter estado naquele espetáculo ao lado da dama fantasma do título. (Aurora inclusive fala algumas palavras em português.) Estela Monteiro, a cantora, usa um chapéu idêntico ao usado pela dama fantasma, um detalhe importante na trama.

O Maltin, na sua resenha, chama a atenção para uma cena de forte sensualidade, numa época em que isso não podia – uma em que a personagem da secretária Carol, ou Kansas (a bela Ella Raines), se insinua para um baterista do mesmo espetáculo da cantora Estela Monteiro, para procurar pistas que inocentem seu chefe e amado, o engenheiro Scott Henderson.

Algumas coisas interessantes a notar nestes filmes do Siodmak que o Telecine 5 passou esta semana. Uma característica comum a todos os três que vi é a inclusão de cenas musicais no meio da trama policial – em Ciladas Maurice Chevalier canta duas músicas; neste A Dama Fantasma há o número musical no teatro na Broadway com Aurora Mirnda e essa cena de sensualidade em que o baterista faz uma jam session com jazzistas; e em Baixeza/Criss Cross, que é o mais fraco dos três filmes, há cenas num bar em que um grupo toca rumba.

Outra característica comum mostra que Siodmak, anos antes de Truffaut, era igualmente tarado por pernas de mulher. Em Ciladas há algumas tomadas das pernas cruzadas da personagem central, vestindo meias; o assassino verdadeiro, quase no final do filme, fica taradíssimo ao ver as pernas da mesma personagem. Em A Dama Fantasma há também tomadas das pernas da personagem título, e também da secretária Carol, que se veste como uma puta vulgar para atrair o baterista. Em Baixeza/Criss Cross, também há cena que junta música e sensualidade.

Finalmente, tanto Ciladas quanto A Dama Fantasma mostram uma situação em que todas as pistas do crime recaem sobre o homem errado, o homem inocente; nos dois filmes, os inocentes são presos e condenados por crime que não cometeram.

A Dama Fantasma/Phantom Lady

De Robert Siodmak, EUA, 1944.

Com Ella Raines, Franchot Tone, Alan Curtis, Thomas Gomez, Elisha Cook Jr., Aurora Miranda

Roteiro Bernard C. Schoenfeld

Baseado em história de Cornell Woolrich

P&B, 87 min.

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*