O Segredo de Mary Reilly / Mary Reilly


Nota: ★★★☆

Anotação em 1997: O Stephen Frears é realmente fantástico. O cara consegue trafegar por todos os gêneros possíveis e imagináveis. Aqui ele faz um terror de primeira, realmente assustador, com muito clima.

E consegue fazer Julia Roberts trabalhar muitíssimo bem, como a criada do doutor Jekyll – a história toda é vista através dos olhos dela. Malkovich está bem como sempre, um pouco exagerado como sempre, no papel duplo do doutor Jekyll e de Mister Hyde.

A história tenebrosa do passado da criada é brilhante, e duríssima. Ela tem cicatrizes horríveis – e só com uns 30 minutos de filme ela revela o motivo para o médico. Um horror.

amary3O despertar do desejo dela pelo impetuoso Hyde é muito bem mostrado. Os pesadelos dela, confundindo-se com cenas reais que o espectador acabou de ver, também são mostrados de forma brilhante. Um desses filmes que não dá para entender por que não tiveram sucesso de bilheteria. A música de George Fenton, que já havia trabalhado com Frears também em Relações Perigosas, é suntuosa, riquíssima, cria o clima do filme.  

Interessante notar que outro cineasta das Ilhas Britânicas fez, na mesma época, uma adaptação hollywoodiana de um mito clássico – Neil Jordan filmou com Tom Cruise Entrevista com um Vampiro, e foi igualmente um fracasso de público e crítica.

 Se você não viu o filme, não leia a partir de agora

 Na minha opinião, neste filme aqui Frears só comete um deslize, possivemente para atender ao esquemão de Hollywood: a cena, no final, em que o médico sai de dentro do corpo do monstro. É de uma obviedade burra, à lá Lobisomem Americano em Londres, desnecessária, em um filme onde, de resto, tudo é subentendido, tudo é não óbvio.

O Segredo de Mary Reilly/Mary Reilly

De Stephen Frears, EUA, 1996

Com Julia Roberts, John Malkovich, George Cole, Michael Gambon, Glenn Close,

Roteiro Christopher Hampton

Baseado em novela de Valerie Martin, que por sua vez se baseia em O Médico e o Monstro, de Robert Louis Stevenson – embora não haja qualquer crédito a ele.

Música George Fenton

Fotografia Philippe Rousselot

Cor, 108 min.

Um Comentário

  1. José Luís
    Postado em 1 agosto 2014 às 8:02 pm | Permalink

    Vi e não me deixou saudades, achei muito insípido. Por acaso li recentemente o livro que este filme adaptou e também achei fraco.

Um Trackback

  1. […] aí é preciso lembrar como esse cineasta consegue ser eclético. Ele fez terror (O Segredo de Mary Reilly), recriação de fatos históricos recentes (A Rainha), comédia musical (Sra. Henderson Apresenta, […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*