Sabrina


Nota: ★★★☆

Anotação em 1996: Um belo conto de fadas. Não perde em charme ou graça ou inteligência ao filme do mestre Billy Wilder de 1954. Claro que não há ninguém como Audrey Hepburn, mas a menina Julia Ormond foi muito bem escolhida; ela tem algo semelhante à própria Audrey, o rosto de beleza belíssima, especial, mas não dessas belezas de atrair de muito longe. Tem charme, também. Pode não ter a elegância natural da Audrey, mas foi muito bem escolhida, é bonita, é simpática e é muito boa atriz. Harrison Ford está bem no papel que foi de Humphrey Bogart.

Souberam fazer a adaptação para os anos 90. Não me lembro o que era a família Larabee no primeiro filme, mas nos anos 90 eles são donos de uma grande corporação da área de entretenimento que vai se fundindo a outras, com as ações subindo em Wall Street. São ainda mais ricos, muito mais ricos, que os Larabee do filme original – mas agora tudo no cinemão americano é assim, tudo é exagerado demais, e nem o bom Sydney Pollack pôde ou quis fugir desse exagero natural da época.  

Há um diálogo ótimo, quando Sabrina volta crescida e linda de Paris e Linus conversa com ela. Ela pergunta se é um grande problema o irmão dele se apaixonar por alguém de classe inferior e ele diz: It’s the nineties, Sabrina. E ela diz: So I’ve heard.

Os diálogos são todos muito bons – os originais é claro que são, mas também os que foram acrescentados. Há umas quatro ou cinco boas frases contra o yupismo. Há uma interessantíssima referência ao próprio cinema, quando o pai viúvo de Sabrina, o chofer da mansão, pergunta à governanta (a quem ele pediria em casamento no final) se ela estava revendo de novo Vestígios do Dia, um filme sobre pessoas, como eles próprios, empregados de gente muito rica. Gostosa sacada.

Muita gente disse que o original é 200 vezes melhor. Acho que ainda não fiquei tão velho a ponto de achar que tudo da minha juventude é necessariamente melhor do que o que se faz hoje. Para respeitar e admirar um original, não é necessário achar a refilmagem uma bosta.

Sabrina/Sabrina

De Sydney Pollack, EUA, 1995.

Com Harrison Ford, Julia Ormond, Greg Kinnear, John Woods, Angie Dickinson, Richard Creenna, Fanny Ardant,

Baseado no filme de Billy Wilder, que por sua vez se baseou numa peça teatral de Samuel Taylor.

Cor, 127 min.

Um Trackback

  1. Por 50 Anos de Filmes » Os Pássaros / The Birds em 17 janeiro 2018 às 1:15 pm

    […] interpretasse Sabrina. Em 1995, o diretor Sydney Pollack fez uma gostosa (embora desnecessária) refilmagem do clássico de Billy Wilder de 1954, com uma das mulheres mais belas da História do cinema no papel que havia […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*