O Sangue de Romeu / Romeo is Bleeding


Nota: ★★☆☆

Anotação em 1995: Quase um bom filme. Excelentes interpretações de ótimo elenco (é muito nome bom junto), música, de Mark Isham, muito competente. Em várias cenas, esse Peter Medak, um diretor nascido na Hungria e que passou pela Inglaterra, cria um clima quase tão opressivo e sufocante quanto o de Coração Satânico, de Alan Parker.

O personagem do sargento de polícia, interpretado por Gary Oldman, sempre um tanto exagerado mas sempre bom, que resolveu ganhar grana do outro lado da lei é ótimo. Mas achei que o roteiro falha ao criar o principal personagem feminino, da supergângster interpretada por Lena Olin. A bela atriz sueca, que já havia trabalhado com Ingmar Bergman em seu país natal, faz o possível, mas o problema é que o personagem é impossivelmente inteligente e perfeito demais, é aquela tal coisa do exagero do exagero do exagero, Indiana Jones mais Mulher Maravilha.

Na sua resenha, Leonard Maltin fala dos exageros do filme, mas diz que a grande virtude do filme é exatamente a “robusta performance de Olin como uma dominatrix sádica que acaba estrangulando seu atacante entre suas coxas”.

 O Sangue de Romeo/Romeo is Bleeding

De Peter Medak, EUA, 1994.

Com Gary Oldman, Lena Olin, Annabella Sciorra, Juliette Lewis, Roy Scheider, David Proval, Will Patton, Larry Joshua, James Cromwell, Julia Migenes, Dennis Farina, Ron Perlman

Argumento e roteiro Hilary Hankin

Música Mark Isham

Cor, 100 min.

2 Comentários para “O Sangue de Romeu / Romeo is Bleeding”

  1. companheiro (a), nao se atreva a comentar as atuações de qualquer personagem desse filme para nao cair no ridiculo. todos seus comentarios se vêem que sao tirados de criticas feitas a esse filme. lena olin esta maravilhosa no papel de vilã, simplesmente arrebatadora. gary oldman nunca exagera, ele se chama interpretação. ele da o que o diretor pede. nao podemos culpá-lo se o diretor pediu um exagero. se ele pediu, com certeza oldman deu.

  2. O sufocante do filme é seu final. A ambiguidade do policial, sabendo que corrompendo-se perderá a mulher que tanto ama, nao resiste e transforma o pesadelo em realidade. A espera angustiante por quem nunca vai voltar. Incomoda, po isso é excelente.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *